Alunos de Campo Mourão criam nova fonte de Libras

Você sabia que existem mais de 10 milhões de pessoas com deficiência auditiva parcial ou total no Brasil e que a acessibilidade para essas pessoas realizarem atividades do cotidiano ainda é um desafio? Pois é, foi pensando nisso que os alunos Diego Aguiar e Alexandre Nassar, que cursam o ensino médio técnico em Informática no Câmpus Campo Mourão, criaram uma fonte tipográfica em Libras (a Linguagem Brasileira de Sinais) compatível com todos os sistemas operacionais de computador: Mac OS, Linux e Windows.

A ideia surgiu por meio de um projeto de extensão coordenado pelo professor Ricardo Sander, que visa aproveitar os conhecimentos da área de informática para contribuir com a comunidade externa, disponibilizando a fonte para o público gratuitamente. Também colaborou para a criação do projeto o fato de que a última fonte em Libras é de 2002 e já tem mais de 15 anos, ou seja, não evoluiu paralelamente à língua portuguesa.

Para criar a fonte, foi necessário um trabalho minucioso onde os alunos passaram por várias etapas, trabalhando com diversos equipamentos e softwares até sua implementação na forma de fonte tipográfica, com um sistema de formulação totalmente inédito, criado pelos próprios alunos. Olha só o resultado final:

15036625_670337776476659_7357072935229434422_nPara os deficientes auditivos, o alfabeto manual (datilologia) é muito importante na língua de sinais pois permite que palavras que ainda não tenham um sinal definido sejam soletradas, funcionando como um elo entre a língua de sinais e à língua oral.

E os resultados ao longo do ano foram melhores do que o esperado. “Estamos extremamente felizes e satisfeitos, pois já obtivemos mais de cinco mil cliques em download por todo Brasil, mais de 600 curtidas em nossa página do Facebook, diversos minicursos e aulas que utilizam nossa fonte. Além de inúmeras mensagens de agradecimento e reconhecimento do nosso projeto, sobretudo de professores de Libras de inúmeras regiões brasileiras”, destaca Diego.

Alexandre ressalta que a contribuição com um público que necessita deste recurso vale muito a pena: “Há inúmeras formas de contribuir para uma sociedade melhor, desde trabalho de caridade, políticas, qualificação, acessibilidade e inclusão. Acreditamos que o projeto Libras 2016 será uma ótima ferramenta principalmente para o ensino da língua. Sentimo-nos bem por saber que contribuímos nesse sentido”.

Quer ter a fonte em seu computador? Siga os passos para obter uma fonte leve, gratuita, inclusiva e muito fácil para instalar:
Link para download (.otf)
Link para download (.ttf)
– Abra o arquivo baixado em seu computador e clique em “Instalar”
– Pronto, agora em qualquer editor de texto você consegue utilizar a fonte do projeto Libras 2016!

Hackathon Paraná 2016 recebe inscrições até esta sexta-feira, dia 23

Tem alguma ideia inovadora voltada à gestão pública?

Estão abertas até esta sexta-feira, dia 23, as inscrições para a Hackathon Paraná 2016, maratona de desenvolvimento de softwares. O evento tem como objetivo incentivar  a criação de soluções digitais para questões relacionadas ao desenvolvimento urbano, principalmente às áreas de transporte público e obras públicas.

hackathon_2016

Os temas específicos serão divulgados somente na abertura da maratona, que será realizada entre os dias 7 e 9 de outubro, na sede da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas diretamente na página do evento. Ao todo, serão aceitas 50 inscrições, divididas nas seguintes categorias: 26 vagas para desenvolvimento, 12 vagas para design e 12 vagas para business.

Como premiação, cada integrante da equipe vencedora receberá troféu, diploma e um curso nas seguintes áreas: criação de aplicativos; criação de jogos; design thinking; produção de conteúdos & mídias digitais; empreendedorismo; ou idiomas (inglês, francês, alemão, italiano ou espanhol). Os vencedores também poderão dar continuidade ao projeto em um programa de mentorias para startups, além da concessão de créditos de até US$ 120 mil para consumo de tecnologia IBM, pelo período de 12 meses.

Sobre o Hackathon

O termo resulta de uma combinação das palavras inglesas “hack” (programar de forma excepcional) e “marathon” (maratona). Trata-se de um evento que reúne programadores, designers e outros profissionais ligados ao desenvolvimento de software para uma maratona de programação, cujo objetivo é desenvolver um software que atenda a um fim específico ou projetos livres que sejam inovadores e utilizáveis.

Durante a maratona, que pode durar entre um dia ou uma semana, os participantes têm a oportunidade de concorrer a prêmios, conhecer outros profissionais da área, fazer networking e participar de um projeto colaborativo em um ambiente específico de programação.