Equipes de robótica participam de competição internacional

Duas equipes de robótica, formadas por alunos do ensino médio e orientadas por acadêmicos da UTFPR dos Câmpus Medianeira e Toledo participaram neste mês de março da First Robotics Competition (FRC), o maior desafio mundial de robótica educacional, que aconteceu nos Estados Unidos e Canadá.

Equipe Strike durante fase internacional da competição (Foto: Divulgação)

Equipe Strike durante fase internacional da competição (Foto: Divulgação)

Sob a orientação do professor de matemática Pedro Elton Weber, coordenador do Projeto de Robótica, acadêmicos mentores e colaboradores, os integrantes das equipes tiveram uma intensa preparação, por meio de aulas teóricas e práticas de robótica, eletrônica, mecânica, elétrica e relações empresariais, essenciais para executar a construção de robôs.

Em uma atividade que combina a emoção do desafio e os rigores da ciência e da tecnologia, os alunos foram desafiados a projetar, construir e programar um robô de nível industrial, capaz de auxiliar no trabalho de carga e descarga de caixas, em um prazo restrito de seis semanas, a partir de um kit distribuído pela FIRST®, a todas as equipes participantes.

Equipe Strike (Foto: Divulgação)

Ao final desse prazo, a equipe ROOSTERS, formada por alunos das Escolas Estaduais João Manuel Mondrone, Marechal Arthur da Costa e Silva (Medianeira) e acadêmicos da UTFPR Medianeira, desenvolveu o robô Gambis, que competirá em Rochester, Estados Unidos, em meados de março. A equipe STRIKE, formada por alunos do Colégio Bertoni (Foz do Iguaçu) e da UTFPR, construiu o robô Soraya apresentado durante a regional do evento na cidade de Montreal, Canadá.

De acordo com o professor Pedro, há muito do que se orgulhar nesta competição. Das 3.600 equipes e mais de 90 mil alunos inscritos na FRC/2018, há somente 10 participantes brasileiras e, dentre elas, as equipes de Medianeira e Foz do Iguaçu, que nasceram de projetos voluntários de acadêmicos da UTFPR, são as únicas do estado do Paraná.

Sobre a FIRST®

Organização internacional, sem fins lucrativos, promotora de desafios anuais de robótica para jovens em fase escolar, em parceria com a NASA e Google, que atende mais de 460.000 estudantes no mundo, agrupados em mais de 7 mil equipes. A FRC é um dos quatro programas da FIRST®, destinado a estudantes do ensino médio.

Equipe de robótica PatoBots sobe ao pódio na Summer Challenge 2015, em MG

A equipe de robótica PatoBots, do Câmpus Pato Branco, foi uma das vencedoras da 3ª edição da “Summer Challenge 2015”, um dos maiores eventos nacionais de robótica realizo no início do mês na Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais.

Pódio da Summer Challenge 2015. Equipe da UTF conquista 2° lugar na competição

Pódio da Summer Challenge 2015. Equipe da UTF conquista 2° lugar na competição

Nesta edição, a equipe PatoBots competiu na categoria “Seguidor de Linha”  e obteve o 2o lugar com o robô “Robbie2.0” e o 11o lugar com o robô “Beta-Project”. Os dois robôs são frutos do Trabalho de Conclusão de Curso do acadêmico Márcio Luis Petry, de engenharia de computação, sob orientação dos professores Fábio Favarim, do Departamento Acadêmico de Informática, e César Rafael Claure Torrico, do Departamento Acadêmico de Elétrica.

Vista da pista de competição, na Universidade Federal de Lavras

Vista da pista de competição, na Universidade Federal de Lavras

Na avaliação do aluno, além de contribuir para sua formação profissional, a participação na competição o instigou a aprofundar cada vez mais os estudos nas mais diversas áreas de conhecimento e a buscar novas estratégias para vencer os robôs adversários. Ele comenta que nesta edição fez uso de Encoders, dispositivo capaz de mapear a pista e prever curvas antes de chegar nelas: “assim, foi possível acelerar ao máximo nas retas e reduzir a velocidade em cima da curva”.

“É uma emoção especial vencer equipes consagradas como a UFRJ e a Poli-USP, que estão há mais de 10 anos competindo nesse tipo de evento. Percebi uma grande evolução das equipes desde a Winter Challenge [também competição de robótica], assim precisamos integrar mais membros a nossa equipe e trabalhar num protótipo cada vez mais competitivo”, completa Petry.

Criada em maio deste ano, a equipe PatoBots já participou da edição de inverno da Winter Challenge, uma das tradicionais competições de robótica do País, e obteve o 13ª lugar na classificação nacional. Já em outubro, também na categoria  “Seguidor de Linha”, a galera participou do evento Face 2015, a nível regional, e obteve o 1° e 3° lugares com os robôs Robie 2.0.

É isso aí, com menos de um ano de funcionamento e a galera da PatoBots mandando ver nas competições de robótica 😀

Estudante constrói mão robótica com peças criadas em impressora 3D

William Cândido Ribeiro é daqueles estudantes persistentes até o fim. Graduando no curso de Engenharia Elétrica do Câmpus Medianeira, ele construiu sua própria impressora 3D para conseguir realizar alguns de seus projetos. Um deles, o mais engenhoso, é uma mão robótica controlada por um sistema de eletroencefalograma (leitura de impulsos cerebrais). A mão faz parte do projeto aberto francês InMoov, um programa de colaboração e aperfeiçoamento de projetos, com mais 600 jovens construtores em todo o mundo.

Protótipo da mão já conectado ao braço mecânico

Protótipo da mão já conectado ao braço mecânico

E foi assim, pesquisando em plataformas abertas que encontrou a “sua mão”. “Tudo começou durante as férias de março de 2012. Queria montar um braço robótico, desses industriais. Após ver o dispositivo Emotiv Insight no site KickStarter, tive a certeza desse projeto. Poder controlar um braço ou uma mão robótica pelo cérebro, através do eletroencefalograma, deve ser muito legal!”, relembra.

O projeto funciona por comando de celular via Bluetooth (veja o vídeo abaixo), usando a placa desenvolvida pelo seu professor da UTFPR, Alberto Noboru. Os próximos passos do projeto serão adicionar, nos dedos, sensores de força em que será possível controlar a força que a mão faz ao segurar algum objeto e também implantar uma pulseira que capta os sinais dos músculos do braço. “É algo novo, diferente, interessante e que pode ajudar as pessoas a terem uma prótese robótica com um custo baixo”, avalia William.

Parte interna no braço e seus "músculos" mecânicos

Parte interna no braço e seus “músculos” mecânicos

Para aperfeiçoamento da sua mão robótica, ele contou com grande apoio da mãe para dar aspecto humano e inclusive inserir suas próprias digitais. “Minha mãe é Arte Terapeuta e desde sempre me deixou mexer um pouco com artes plásticas. Eu sabia que o látex e a borracha dariam uma cor e textura semelhante à pele humana, e o resultado me agradou bastante, pois seus detalhes foram excelentes”, relata.

Confira um vídeo demonstrativo dos movimentos da mão mecânica:

Foi com o grande incentivo dos pais e do professor, que William está conseguindo desenvolver seu projeto com tanto desempenho. Mas não quer parar por aqui. “Tenho também um projeto chamado ‘Lixo Eletrônico’, onde faremos gincanas e oficinas tanto na universidade, quanto nas escolas da região, para incentivar a reciclagem, o reaproveitamento de diversos materiais e a consciência ambiental. Quero despertar o interesse de crianças, jovens e colegas pela eletrônica, e fazê-los enxergá-la com outros olhos”, pontua.

Se você está a fim de construir sua própria mão também, William disponibiliza seu passo-a-passo no site Instructables. Mãos à obra? ;D

 

Equipe da UTF se destaca na Competição Latino-Americana de Robótica

E mais uma vez os alunos da UTF se destacam em eventos científicos. Agora foi a vez da XII Competição Latino-Americana e Brasileira de Robótica, realizada entre os dias 18 e 22 de outubro na USP de São Carlos, onde a equipe UTBots se consagrou como um dos destaques da competição.

A equipe, formada por alunos dos cursos de Engenharia da Computação e Sistemas de Informação, conquistou  dois terceiros lugares nas seguintes categorias: RoboCup Simulation 3D e RoboCup@Home. E o feito é ainda maior se comparado com a quantidade de participantes: 750 pesquisadores de diversas instituições da América Latina, divididos em 144 equipes! Ah, a galera ainda competiu nas categorias Futebol de Robôs Simulação 2DSmall Size.

Membros da equipe:

Vinícius Amilgar Brenner (Engenharia da Computação);
Vanessa Schemmes Martins Pinto (Engenharia da Computação);
Emanuel Atanázio (Bacharelado em Sistemas de Informação);
Rodrigo Longhi Guimarães (Engenharia da Computação);
Rafael Jorge Trindade (Engenharia da Computação).
Coordenação: professor João Alberto Fabro, líder do grupo de pesquisa LASER – Laboratório Avançado de Sistemas Embarcados e Robótica da UTFPR.

Membros da equipe UTBots

Membros da equipe UTBots…

... e os troféus trazidos para a UTF!

… e os troféus trazidos para a UTF!

Parabéns, galera! 😀

 

Estudantes da UTF participam de campeonato internacional de robótica

Alunos da UTF durante a competição de robôtica

Alunos da UTF durante a competição de robôtica

Um grupo de seis estudantes da UTF (Câmpus Curitiba) participou da 10ª edição do campeonato internacional de robótica Winter Challenge, realizada entre os dias 17 e 20 de julho na cidade de São Caetano do Sul (SP). A galera, que se juntou para formar a equipe Crossbots, competiu  em quatro diferentes modalidades: robô de combate de 5,44 kg; robô de sumô autônomo de 3 kg; robô de sumô rádio controlado de 3 kg e robô autônomo seguidor de linha.

O capitão da equipe, Marcos Dinís Lavarda, avalia a participação da Crossbots como muito positiva, principalmente na comparação com os resultados obtidos no ano passado. “No robô seguidor de linha, tivemos uma melhora de 80% na eficiência do trajeto se comparado ao ano anterior, completando a volta de 19 metros em menos de 30 segundos, o que é muito satisfatório”, comenta o mestrado em Engenharia Biomédica.

Para o estudante, a principal vantagem do projeto é desenvolver projetos multidisciplinares e garantir experiência pessoal e profissional aos participantes. “O projeto de robótica é uma ferramenta essencial na aplicação dos conhecimentos teóricos e na motivação durante o curso. Essa é uma oportunidade de desenvolver, na prática, projetos multidisciplinares em grupo”, destaca.

Além de Lavarda, participam da equipe Crossbots os estudantes Thais Greca, Tauan Marinho, Fernanda Assolari, Samuel Zaduski e Alexandre Calado.  Os trabalhos foram desenvolvidos com a supervisão do professor Rubens Alexandre de Faria, do Departamento Acadêmico de Eletrônica (Daeln).

Confira a classificação da equipe em cada categoria:

Hobbyweight – 12lb (5,44kg)

10° lugar – Robô Tron

Sumô – 3kg (Auto)

7° lugar – Robô Cubóide

Sumô – 3kg (R/C)

15° lugar – Robô Cubóide

Seguidor de Linha – Pro

15° lugar – Robô Vulture