Inscrições para o Seminário de Extensão e Inovação

O Câmpus de Francisco Beltrão sedia, nos dias 24 e 25 de novembro, o 6º Seminário de Extensão e Inovação da UTFPR. O evento é destinado a apresentação das atividades de extensão e inovação desenvolvidas pelos alunos e servidores. O prazo para submissão de trabalhos vai até o próximo dia 21.

Aqueles que tiverem atividades correlatas à área de extensão e inovação podem apresentá-los em uma das duas categorias: Resumos ou Artigos Completos. Os trabalhos devem, obrigatoriamente, ter um orientador responsável como coautor e serão avaliados por uma equipe de pesquisadores-parceristas do evento. O aceite oficial será comunicado ao  respectivo orientador, seguindo o cronograma abaixo:
cronograma_sei_2016

As inscrições para a categoria ‘ouvinte’ também estão abertas e podem ser feitas diretamente no site do SEI até  24 de outubro. Ah, e pra quem é de fora da cidade, a página do Seminário traz uma relação de hotéis em Francisco Beltrão.

Francisco Beltrão e Ponta Grossa abrem seleção para o Hotel Tecnológico

Sim, a UTF respira empreendedorismo!

Estão disponíveis dois editais de seleção para os hotéis tecnológicos dos Câmpus Francisco BeltrãoPato Branco Ponta Grossa. O objetivo do projeto é fomentar o espírito empreendedor, subsidiando e apoiando inovações, e é voltado aos alunos e egressos que desejam desenvolver um produto, processo ou serviço moderno de base tecnológica.

O Hotel Tecnológico oferece por até dois anos infraestrutura física bacana e benefícios como: treinamento para os hóspedes, orientação para abertura da empresa, assessoria, participação em eventos para inserção mercadológica e consultoria técnica especializada.

Para participar, as equipes precisam ter de três a quatro integrantes, com pelo menos um aluno regularmente matriculado ou egresso da UTF sob a orientação de um professor permanente. Dependendo do câmpus, há algumas regras específicas. Em Francisco Beltrão, os alunos podem admitir sócios investidores desde que estes não tenham participação majoritária. As inscrições vão até esta quinta-feira, dia 19, para o Ponta Grossa, e até o próximo dia 25 para Francisco Beltrão. Para Pato Branco, as inscrições estão abertas desde 17 de junho.

Incubadora de Inovações

Agora, se você ainda não possui um plano de negócios maduro, uma boa oportunidade é buscar a Incubadora de Inovações dos câmpus. Em Curitiba, por exemplo, a admissão de novos projetos é contínua, sendo limitada apenas à capacidade física da IUT, a Incubadora de Inovações. O lance, então, é ficar de olho nas vagas ofertadas nas chamadas públicas no site do Câmpus. Assim como no HT, o tempo do projeto na Incubadora é de dois anos, renovável por até outros dois.

Ideias inovadoras em disputa

Uma competição entre empreendedores, inventores e empresários. O Start-UT – Transformando ideias em negócios é um evento que visa selecionar as ideias inovadoras que possam ser transformadas em uma empresa startup. Promovida pela Incubadora de Inovações e Hotel Tecnológico do Câmpus Ponta Grossa, a competição acontecerá no dia 3 de outubro.

Cerca de 20 equipes, compostas por até quatro pessoas, estarão na disputa. Durante este sábado, os inscritos participarão de um talk-show e deverão apresentar suas ideias em formato de pitch (apresentação em cinco minutos) a uma banca constituída por professores, empresários convidados e incubados.

No início da tarde, serão divulgadas as ideias selecionadas para participarem do Workshop de CANVAS – uma oficina de elaboração do modelo de negócios. Após o workshop, haverá a apresentação dos CANVAS, seguida pela premiação dos vencedores.

Ao final do Start-UT, as melhores ideias serão premiadas com uma consultoria do Sebrae. Além disso, as ideias indicadas pelo Sebrae receberão seis meses de hospedagem no Hotel Tecnológico do Câmpus Ponta Grossa para desenvolvimento do negócio e sua inserção no mercado.

Estamos prevendo uma chuva de excelentes ideias sobre o Câmpus Ponta Grossa neste sábado. 😀

Últimos dias de inscrição para o Prêmio Santander Universidades

Quer concorrer a uma bolsa de estudos no exterior? Pois olha só esta oportunidade! O Prêmio Santander Universidades, considerado o maior prêmio acadêmico do Brasil, está com inscrições abertas até esta quinta-feira, dia 17.

Nesta edição, são mais de R$ 2 milhões em prêmios e bolsas de estudos internacionais na Babson College (EUA) para alunos, professores e pesquisadores vencedores das categorias. Também será disponibilizado para todos os candidatos um curso online de empreendedorismo da Babson College.

As categorias são as seguintes:

  • Universidade Solidária – A premiação visa promover a troca entre a pesquisa, o ensino e o saber popular, contribuindo para a inclusão social e econômica de comunidades e para a formação cidadã do futuro profissional.
  • Ciência e Inovação – Destaque para Agronegócios na categoria de Biotecnologia. Este ano o Prêmio irá enaltecer as pesquisas realizadas neste segmento com R$ 100 mil como reconhecimento ao trabalho do pesquisador e uso livre do prêmio.
  • Empreendedorismo – Um dos cinco prêmios entregues será para o melhor projeto de Soluções em Meios de Pagamento, sendo assim, o autor deste projeto ganhará R$ 100 mil, uma bolsa na Babson College e mentoria da Endeavor para aceleração do negócio.
  • Guia do EstudanteDestaques do Ano – Busca reconhecer ações e projetos de excelência realizados pelas Instituições de Ensino Superior. A premiação possui quatro categorias diferentes: apoio ao aluno; captação de recursos; empregabilidade; interdisciplinaridade.
Ficou interessado? Corre lá! A inscrição deve ser feita diretamente na página no Prêmio.
Boa sorte! 😉

 

Alunos do Câmpus Medianeira participam do Projeto Rondon 2015

Conhecimento a serviço da comunidade. O Câmpus Medianeira da UTFPR participou entre os dias 10 e 26 de julho da Operação Bororos, do Projeto Rondon, em Porto Estrela (MT), às margens do Rio Paraguai.

Na cidade, com um pouco mais de 3.900 habitantes, foram realizadas oficinas em diversas comunidades rurais. Ao final da operação, a equipe de rondonistas da UTFPR capacitou 31% da população do município, maior índice em termos percentual de toda operação. Também foram realizadas diversas consultorias para administração municipal, com temáticas relacionados ao planejamento ambiental, plano diretor e ações voltadas para o desenvolvimento de trabalho e renda.

Para que a equipe estivesse preparada para enfrentar os desafios que o Rondon proporciona, os professores trabalharam com atividades prévias ainda no mês de abril. Inicialmente, foi ensinado aos alunos o Inventário de Habilidades Sociais (IHSA-DelPrette), ferramenta que serviu de base para a capacitação dos estudantes, primeiro com um curso de oratória e comunicação e depois o planejamento da realização de diversas oficinas experimentais.

E quem disse que apenas a população de Porto Estrela saiu ganhando nessa história? A comunidade de Medianeira também se beneficiou com oficinas preparatórias realizadas pelos rondonistas. Entre as atividades, a equipe realizou um curso sobre a instalação e uso da lousa digital, onde foi possível capacitar os professores da rede municipal de educação de Medianeira.

“A nossa participação superou as expectativas e com certeza o sucesso da operação em Porto Estrela foram méritos da dedicação, profissionalismo, capacidade técnica e da superação de todas as limitações por parte de nossos alunos”, comenta o professor Marlos Wander.

“A sensação que fica foi a de que estávamos preparados para tudo, que iríamos transformar as pessoas do município atendido, e acreditamos que alcançamos esse objetivo.  A camiseta amarela do Projeto Rondon pode sair do nosso corpo, mas o Rondon nunca mais sairá da nossa pele”, finaliza o professor.

Fizeram parte da equipe dois professores, Carlos Aparecido Fernandes e Marlos Wander Grigoleto, e oito alunos: Aline Cavalli, Edward Seabra Junior, Flavia Kimi Miyamoto, Flavio Piekarzewicz da Silva, Ítala Maria Gouveia Marx, Maria Luiza Piaia, Mateus Mestriner Pituco e Zayra Aparecida Frassetto, Gabriel Taccolini Papp e Leonardo Elias Franco de Lima.

Sobre o projeto

O Projeto Rondon tem como objetivo fazer com que os estudantes participem dos processos de desenvolvimento local sustentável e de fortalecimento da cidadania, ou seja, o acadêmico repassa o conhecimento adquirido na universidade para a comunidade local. A coordenação geral da iniciativa é do Ministério da Defesa.