Alunos de Campo Mourão criam nova fonte de Libras

Você sabia que existem mais de 10 milhões de pessoas com deficiência auditiva parcial ou total no Brasil e que a acessibilidade para essas pessoas realizarem atividades do cotidiano ainda é um desafio? Pois é, foi pensando nisso que os alunos Diego Aguiar e Alexandre Nassar, que cursam o ensino médio técnico em Informática no Câmpus Campo Mourão, criaram uma fonte tipográfica em Libras (a Linguagem Brasileira de Sinais) compatível com todos os sistemas operacionais de computador: Mac OS, Linux e Windows.

A ideia surgiu por meio de um projeto de extensão coordenado pelo professor Ricardo Sander, que visa aproveitar os conhecimentos da área de informática para contribuir com a comunidade externa, disponibilizando a fonte para o público gratuitamente. Também colaborou para a criação do projeto o fato de que a última fonte em Libras é de 2002 e já tem mais de 15 anos, ou seja, não evoluiu paralelamente à língua portuguesa.

Para criar a fonte, foi necessário um trabalho minucioso onde os alunos passaram por várias etapas, trabalhando com diversos equipamentos e softwares até sua implementação na forma de fonte tipográfica, com um sistema de formulação totalmente inédito, criado pelos próprios alunos. Olha só o resultado final:

15036625_670337776476659_7357072935229434422_nPara os deficientes auditivos, o alfabeto manual (datilologia) é muito importante na língua de sinais pois permite que palavras que ainda não tenham um sinal definido sejam soletradas, funcionando como um elo entre a língua de sinais e à língua oral.

E os resultados ao longo do ano foram melhores do que o esperado. “Estamos extremamente felizes e satisfeitos, pois já obtivemos mais de cinco mil cliques em download por todo Brasil, mais de 600 curtidas em nossa página do Facebook, diversos minicursos e aulas que utilizam nossa fonte. Além de inúmeras mensagens de agradecimento e reconhecimento do nosso projeto, sobretudo de professores de Libras de inúmeras regiões brasileiras”, destaca Diego.

Alexandre ressalta que a contribuição com um público que necessita deste recurso vale muito a pena: “Há inúmeras formas de contribuir para uma sociedade melhor, desde trabalho de caridade, políticas, qualificação, acessibilidade e inclusão. Acreditamos que o projeto Libras 2016 será uma ótima ferramenta principalmente para o ensino da língua. Sentimo-nos bem por saber que contribuímos nesse sentido”.

Quer ter a fonte em seu computador? Siga os passos para obter uma fonte leve, gratuita, inclusiva e muito fácil para instalar:
Link para download (.otf)
Link para download (.ttf)
– Abra o arquivo baixado em seu computador e clique em “Instalar”
– Pronto, agora em qualquer editor de texto você consegue utilizar a fonte do projeto Libras 2016!

Compute você mesm@: inclusão e informática

Alunos do Câmpus Curitiba participam de um projeto que tem por objetivo valorizar o saber na área de computação através da inclusão social. A ideia é aproximar grupos de minorias sociais, como mulheres e imigrantes, aos trabalhos de computação e proporcionar inclusão social por meio das Tecnologias de Informação e Comunicação.

A iniciativa do Compute Você Mesm@ é da professora Marília Amaral, do Departamento Acadêmico de Informática, e conta com a participação do doutorando Leander Oliveira e dos graduandos Caroline Alves, Lucas Fogaça e Pedro Henrique Auceli, do curso de Bacharelado em Sistemas de Informação. O projeto teve início em 2013 e, até o momento, já foram realizadas 20 oficinas e workshops, seis recursos educacionais abertos e dois trabalhos publicados em anais de evento.

Pedro Henrique conta que começou a participar do projeto por querer entender mais sobre o curso fora da sala de aula: “o projeto ampliou minha visão, me mostrou como o curso funciona além das aulas. Eu acreditava que o futuro no curso seria só programação, mas graças ao projeto percebi que a programação é apenas uma parte”.

O projeto envolve a qualificação de escolas para a capacitação de minorias em áreas de computação e aproxima as Instituições de Ensino Superior às escolas estaduais, criando assim um laço com os alunos desde o ensino médio até a graduação. Afinal, inclusão é tudo.

UTFPR e o Mercado de Trabalho – Licenciatura em Informática

Informática é uma das áreas de maior crescimento atualmente. Por isso, a formação de profissionais que atuem nesse segmento é muito importante! Entre os diversos cursos da área, a UTFPR oferta o de Licenciatura em Informática, que habilita e qualifica docentes para atuarem no ensino da disciplina, sempre capacitados a acompanhar as evoluções tecnológicas e educacionais.

O licenciado em informática poderá atuar como professor de informática; coordenar laboratórios de informática; ofertar cursos de treinamento e qualificação; atuar na gestão de tecnologias em ensino a distância; desenvolver pesquisa e consultoria na área de informática na educação, entre outras atividades.

A disciplina de informática ainda não é obrigatória no ensino formal brasileiro, mas algumas escolas privadas já a oferecem, o que demanda professores para dar aulas a crianças e jovens. Outra área que também necessita desses profissionais é a de educação à distância, na qual o licenciado pode atuar como monitor, tutor e também com treinamento para uso de softwares e jogos educativos.

O curso da UTFPR – ofertado em Francisco Beltrão – contempla dois eixos básicos de disciplinas: educação e informática; que são ministradas conjuntamente. No primeiro, entram, por exemplo, disciplinas como Psicologia da Educação, Didática, História da Educação e Política Educacionais. Banco de Dados, Linguagem de Programação, Estrutura de Dados e Programação fazem parte das específicas da área da informática.

E aí, gostou das possibilidades de atuação do curso? Compartilhe!