Câmpus Dois Vizinhos conquista 1º e 2º lugares em hackathon de tecnologia assistiva

Dale, UTF! O Câmpus Dois Vizinhos conquistou os 1º e 2º lugares no Hackathon de Tecnologia Assistiva durante a 9ª Semana Empresarial Tecnológica de 2017, realizada entre os dias 19 e 20 de maio.

Integrantes da equipe vencedora durante a entrega da premiação (Foto: Divulgação)

Integrantes da equipe vencedora durante a entrega da premiação (Foto: Divulgação)

O Hackathon é um evento onde os participantes trabalham intensivamente durante várias horas seguidas em um determinado projeto de programação. Nesta edição, o evento teve como objetivo as tecnologias assistivas que buscam melhoria na qualidade de vida das pessoas com algum tipo de deficiência.

O primeiro lugar ficou com a equipe Pratix, composta pelos alunos de Engenharia de Software Bruno Russi Lautenschlager, Guilherme Guimarães da Cunha, Gabriel Paula de Souza, Reinaldo Fernandes e Fernando Lucas Gontijo.

A Pratix teve duas ideias desenvolvidas no evento. A primeira, foi criar uma plataforma web de exercícios que ajudassem pessoas com problemas cognitivos, ajudando na assimilação de significados e cores. Já a segunda, foi proposto o desenvolvimento de um protótipo de hardware que se baseia em um mouse estilo Atari para pessoas com dificuldades motoras.

Além da equipe vencedora ganhar consultoria de especialistas para a continuidade do projeto, ainda tiveram a oportunidade de compartilhar experiências na maratona. “Esses ambientes dão uma grande oportunidade para conhecer novas pessoas. O tema proposto pelos organizadores do hackathon foi super bem escolhido, pois abriu a nossa mente para dar mais atenção para esta grande parte da população mundial que possui algum tipo de limitação”, comenta Reinaldo Fernandes.

O segundo lugar da maratona também ficou com outra equipe de alunos de Engenharia de Software da UTF com o projeto “Tamaghost”, inspirado no brinquedo Tamagotchi.

A UTFPR é apoiadora da Semana Empresarial e Tecnológica de Dois Vizinhos, que une a 9ª Semana Empresarial da cidade e a 3ª Conferência Tecnológica do Sudoeste do Paraná (HUB).

Equipe da UTFPR conquista 3° lugar no Hackathon Sesi 2017

A UTFPR foi um dos destaques da edição 2017 do Hackathon Sesi, com o 3° lugar da competição \o/

A equipe composta pelo servidor Pedro Monteiro e pelo aluno Cleiton, do Câmpus Curitiba, trouxe indicadores de 2016 para criar um software de inteligência que identifica se o trabalhador está com alguma situação ergonômica inadequada, falta de EPI ou próximo a alguma estrutura que indique perigo. A notificação é em tempo real.

hackaton

Cleiton e Pedro, membros da equipe que conquistou o 3° lugar na competição (Foto: Divulgação)

Após 36 horas ininterruptas de competição, os jurados elegeram os melhores projetos de acordo com os seguintes critérios: impacto, viabilidade da implementação, inovação para o mercado, qualidade do produto, criatividade da ideia e aplicação na indústria, sendo este último o critério com maior peso.

Confira os dois primeiros colocados:

1° lugar –  aplicativo que permite ao trabalhador solicitar auxílio caso seja vítima de um acidente de trabalho. A plataforma serve para coleta de dados, aumento da produtividade e aproximação entre empresa e trabalhador.

2° lugar – aplicativo que libera ou proíbe o acesso do trabalhador no ambiente laboral de acordo com o uso de EPIs. Com isso, eles esperam que as empresas diminuam os gastos com indenizações ou processos trabalhistas. O software funciona com um sensor que emite um alerta.

Hackathon Sesi

A maratona de inovações tecnológicas foi realizada nos 24, 25 e 26 de março e reuniu estudantes e profissionais de diversas áreas com um mesmo objetivo: propor soluções para os principais desafios em segurança e saúde nas empresas.

 

Alunos criam portal de jornalismo colaborativo em hackathon da Globo

Alunos de Engenharia de Computação do Câmpus Curitiba e ex-alunos de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Câmpus Cornélio Procópio desenvolveram um portal de jornalismo colaborativo para o Hackathon da Rede Globo, uma maratona para desenvolvimento de softwares. A edição realizada em abril teve como tema “O futuro da produção e distribuição de conteúdo no jornalismo, esporte e entretenimento”.

Um dos integrantes da equipe, Diego Lee, conta que a proposta era criar um portal que possibilitasse a humanização do jornalismo por meio do empoderamento do usuário, descentralizando a produção de conteúdo para trazer múltiplas perspectivas de um mesmo fato. A partir de um sistema de ranqueamento, notícias de qualidade e usuários com boa reputação ganhariam visibilidade. Todos têm o poder de contribuir para uma sociedade mais plural.

Membros da equipe que desenvolveu a plataforma de jornalismo colaborativo (Foto: Reprodução/TechTudo)

Equipe que desenvolveu a plataforma de jornalismo colaborativo (Foto: Reprodução/TechTudo)

A ideia surgiu em um debate com membros da equipe sobre a tendência das plataformas colaborativas. “Meu colega me disse – ‘Uber, maior empresa de transporte do mundo, é colaborativo; Airbnb, maior empresa de hospedagem do mundo, é colaborativo; Youtube, maior empresa de videos do mundo é colaborativo’. Por que não fazemos a Globo, a maior empresa de televisão do Brasil, ser colaborativa?”, conta Lee, um dos participantes da Hackathon e aluno de Curitiba.

Ah, e olha que legal: toda essa galera da UTF se conheceu apenas na hora do evento! E a peneira foi grande: de um universo de mais de 2 mil inscritos, apenas 50 foram convocados para a maratona, realizada na casa do BBB – aquela, a mais vigiada do Brasil!

Apesar de não estar entre os vencedores, o projeto teve uma boa aceitação entre os organizadores do evento. A ideia agora é lançá-lo com o código aberto para que mais pessoas tenham acesso à plataforma.

Maratona de Programação Hackathon

Curitiba sedia neste final de semana, 10 e 11 de maio, sua primeira maratona de programação – a Hackathon. Durante as 32 horas de competição, equipes de diversas universidades de Curitiba promoverão empreendedorismo e boas ideias para a cidade através do desenvolvimento de apps.

Para participar, as equipes devem pedir autorização à sua universidade, escolher um professor-mentor e se inscrever através do site do evento. Não existe prazo para inscrição ou custo algum, porém as vagas são limitadas: 120!

Os estudantes de graduação participantes deverão formar equipes de 3 a 5 competidores da mesma instituição de ensino, levando vantagem se forem de cursos diferentes. As equipes poderão criar aplicativos em três tracks: Cidadania e Acessibilidade, Mobilidade e Saúde.

O anúncio da equipe ganhadora e a premiação acontecerão na noite do domingo, dia 11. Entre os prêmios a serem recebidos pelos campeões, estão: pré-incubação na Agência PUC de Inovação; um ano de mentoring do SEBRAE; estruturação tecnologia do negócio pela Positivo Informática; vales-presente dos patrocinadores e divulgação do app desenvolvido pela Prefeitura Municipal de Curitiba e pela equipe de comunicação do evento.

Para obter mais informações e inscrever a sua equipe, clique aqui.