Acadêmicos da UTFPR conquistam o recorde brasileiro de minifoguetes

Aqui é recorde brasileiro!

O grupo de Foguetes do Câmpus Francisco Beltrão conquistou o recorde brasileiro de precisão de apogeu na categoria 500 metros. Foram exatamente 506 metros de altitude alcançados pelo minifoguete projetado e produzido pela galera. O recorde já foi reconhecido pela Associação Brasileira de Minifoguetes.

Batizado de Durango 2, o minifoguete foi lançado no dia 18 de abril, em um dos testes preparatórios do grupo Tsiolkovski, para o 4º Festival Brasileiro de Minifoguetes e alcançou a altitude pretendida com um erro de apenas 1,2%. A estrutura principal do foguete é um cano PVC, com as aletas e a ogiva feitas de fibra de vidro. A parte interna foi adaptada para segurar o motor, sendo este feito de inox.

Equipe GFT, nova detentora do recorde brasileiro de minifoguetes (Foto: Divulgação)

Equipe GFT, nova detentora do recorde brasileiro de minifoguetes (Foto: Divulgação)

O grupo Tsiolkovski, é formado por estudantes e professores do curso de Engenharia Química de Francisco Beltrão e de Engenharia Mecânica de Pato Branco, e entre eles, Andreia Dagostini, que conta que é necessário jogo de cintura para fazer tudo funcionar corretamente. “Muita teoria é estudada e um planejamento é feito. Entretanto, quando colocado em prática, várias coisas não funcionam como na teoria, tudo isso exige que pensemos como engenheiros para resolver os problemas com rapidez e eficiência. Um problema encontrado no desenvolvimento do protótipo foi pensar na estabilidade do foguete para que saísse da rampa de lançamento com a velocidade adequada e que o vento não conseguisse mudar sua trajetória”, comenta a aluna.

Dagostini conta ainda que o foco do grupo não era atingir o recorde, e sim realizar os testes para o evento. “Seria nosso único teste para essa categoria do festival. Sabemos que os simuladores não são tão precisos, então ficamos impressionados com a altitude atingida e só depois pensamos no recorde. Enviamos nossos dados e o recorde foi reconhecido. Certamente foi muito gratificante para todos os membros da equipe”, conclui a estudante.

Para conferir os vídeos e updates da equipe, basta seguir a fanpage GFT 😉

Alunos de Cornélio Procópio conquistam 1° lugar em competição de startup

Olha só como essa galera tá arrasando no empreendedorismo!

A equipe Cognitiva, formada por empreendedores da Incubadora de Cornélio Procópio conquistaram o 1º lugar na edição anual da Startup Weekend. O evento de empreendedorismo internacional, que é o maior entre os de startups no mundo, aconteceu nos dias 24, 25 e 26 de junho, no Sebrae de Londrina.

sebrae_londrina

A equipe desenvolveu um aplicativo, o GeoPromo, que recomenda promoções de restaurantes e bares para pessoas próximas a esses estabelecimentos, nomeado como GeoPromo. A ideia foi desenvolvida para a participação no evento e está, agora, em fase de protótipo.

“Este tipo de evento é de extrema importância na minha formação acadêmica e profissional, pois eventos relacionados à empreendedorismo fazem com que se possa ver além do que é ministrado dentro de uma sala de aula, com situações reais”, comenta Thayna Gimenez, aluna do 7º período de Engenharia de Computação e integrante da equipe.

Parabéns, galera!

Equipe do Câmpus Curitiba é uma das vencedoras do Festival de Minifoguetes

A equipe de espaço-modelos do Câmpus Curitiba foi um dos grandes destaques da terceira edição do Festival de Minifoguetes da Universidade Federal do Paraná (UFPR). A galera conquistou dois pódios: 1° lugar na categoria ‘Apogeu 50 m’ e 3° lugar na ‘Classe 1/2A’.

A equipe foi criada no final de 2014 e competiu no festival de 2015, com cinco membros e três projetos, alcançando a segunda colocação na categoria ‘Apogeu Máximo A’, com um alcance exato de 100 metros. Já na edição deste ano, que ocorreu no feriadão de Tiradentes, a equipe chegou com sete membros e oito minifoguetes para a disputa em quatro diferentes categorias.

equipe_ct_espaço_modelos

Equipe de minifoguetes do Câmpus Curitiba (Foto: Divulgação)

O processo de confecção dos minifoguetes ocorre em três etapas: projeto, construção e verificação. A etapa do projeto é feita por meio de um software de simulação e a construção é realizada em grande parte manualmente. “Com os minifoguetes já construídos, são verificados e recalculados diversos parâmetros, levando em conta fatores novos como imperfeições no processo de manufatura. Com isso, são feitos alguns ajustes finais para atingir um resultado aceitável”, explica Lawrence Samburgo, líder da equipe.

Futuramente, a equipe deseja otimizar as etapas de confecção dos minifoguetes. “A ideia é ampliar a equipe gradualmente para que seja possível competir em todas as categorias possíveis com um excelente desempenho e, em um futuro próximo, até competir internacionalmente”, completa Samburgo.

Essa UTF só arrasa, heim? 😉

Equipe de robótica PatoBots sobe ao pódio na Summer Challenge 2015, em MG

A equipe de robótica PatoBots, do Câmpus Pato Branco, foi uma das vencedoras da 3ª edição da “Summer Challenge 2015”, um dos maiores eventos nacionais de robótica realizo no início do mês na Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais.

Pódio da Summer Challenge 2015. Equipe da UTF conquista 2° lugar na competição

Pódio da Summer Challenge 2015. Equipe da UTF conquista 2° lugar na competição

Nesta edição, a equipe PatoBots competiu na categoria “Seguidor de Linha”  e obteve o 2o lugar com o robô “Robbie2.0” e o 11o lugar com o robô “Beta-Project”. Os dois robôs são frutos do Trabalho de Conclusão de Curso do acadêmico Márcio Luis Petry, de engenharia de computação, sob orientação dos professores Fábio Favarim, do Departamento Acadêmico de Informática, e César Rafael Claure Torrico, do Departamento Acadêmico de Elétrica.

Vista da pista de competição, na Universidade Federal de Lavras

Vista da pista de competição, na Universidade Federal de Lavras

Na avaliação do aluno, além de contribuir para sua formação profissional, a participação na competição o instigou a aprofundar cada vez mais os estudos nas mais diversas áreas de conhecimento e a buscar novas estratégias para vencer os robôs adversários. Ele comenta que nesta edição fez uso de Encoders, dispositivo capaz de mapear a pista e prever curvas antes de chegar nelas: “assim, foi possível acelerar ao máximo nas retas e reduzir a velocidade em cima da curva”.

“É uma emoção especial vencer equipes consagradas como a UFRJ e a Poli-USP, que estão há mais de 10 anos competindo nesse tipo de evento. Percebi uma grande evolução das equipes desde a Winter Challenge [também competição de robótica], assim precisamos integrar mais membros a nossa equipe e trabalhar num protótipo cada vez mais competitivo”, completa Petry.

Criada em maio deste ano, a equipe PatoBots já participou da edição de inverno da Winter Challenge, uma das tradicionais competições de robótica do País, e obteve o 13ª lugar na classificação nacional. Já em outubro, também na categoria  “Seguidor de Linha”, a galera participou do evento Face 2015, a nível regional, e obteve o 1° e 3° lugares com os robôs Robie 2.0.

É isso aí, com menos de um ano de funcionamento e a galera da PatoBots mandando ver nas competições de robótica 😀

Concurso de aplicativos AppChallenge

Tem algum ideia bacana de aplicativo? Que tal participar do AppChallenge?

O AppChallenge é um desafio acadêmico que tem o objetivo de estimular o envolvimento dos alunos em projetos voltados à utilização da tecnologia digital para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

A ideia é que os alunos desenvolvam um projeto de aplicativo para smartphone, sendo que a melhor proposta receberá um prêmio em dinheiro no valor de R$ 10 mil. Nada mal, né?

Para mais informações, basta acessar a página oficial da competição.

Boa sorte, galera!