Tecnologia e inclusão

 

A vida das pessoas com deficiência é repleta de desafios. Em muitos, a tecnologia pode ser uma importante aliada. É o caso, por exemplo, do relógio desenvolvido pelos alunos Felipe Gonsalez Honório e Jean Michel Wolf e apresentado como Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Engenharia Elétrica (Câmpus Curitiba).

Protótipo do modelo apresentado como TCC de Engenharia Elétrica (Imagem: Reprodução/Ascom-CT)

Protótipo do modelo apresentado como TCC de Engenharia Elétrica (Imagem: Reprodução/Ascom-CT)

Destinado especificamente a deficientes auditivos, o dispositivo (foto ao lado) funciona por meio da comunicação bluetooth com um smartphone e, através de vibrações e alertas visuais, auxilia o usuário em diversas tarefas do cotidiano como, por exemplo, atender a um telefonema, enviar/receber mensagens SMS, acordar no horário com o alarme do aparelho celular ou se programar através de uma agenda eletrônica.

Tudo é gerenciado por um aplicativo próprio, o Lepee, que permite configurar as atividades a serem acionadas no relógio. O produto conta ainda com uma bateria recarregável via micro USB.

Segundo os estudantes, existem outros modelos no mercado que buscam atender as mesmas necessidades, entretanto, o mais simples disponível não é encontrado por menos de R$ 500. A pretensão é que o custo total do produto não ultrapasse os R$ 250.

Um bom exemplo de como o conhecimento pode ser voltado para os que mais necessitam! 😉

Alunos de Mecatrônica Industrial desenvolvem projeto inovador

Os alunos do curso de Tecnologia em Mecatrônica Industrial, desenvolveram um equipamento para reabilitação do joelho: um aparelho de fisioterapia movido por bluetooth. O projeto foi iniciado na disciplina de Projeto Integrador I, ministrada pelo professor Gilson Yukio Sato, e inteiramente desenvolvido nos laboratórios da UTFPR, Câmpus Curitiba.

Segundo Blancaliz Higaskino, uma das participantes do projeto, para desenvolver o equipamento, foram utilizados motores DC, parafusos de potência, placa microcontroladora Arduino e, como solução inovadora, um módulo bluetooth – implementado para o controle do aparelho. “Nesse projeto podemos integrar o conhecimento em várias áreas como por exemplo: mecânica, eletrônica, programação, eletrônica de potência, gestão de projetos e fisiologia do corpo humano”, conta a aluna.

O protótipo foi dimensionado conforme solicitações do professor, que especificou velocidade, ângulo de flexão do joelho, bem como número de repetições do movimento. “O equipamento promove a extensão e a flexão da articulação do joelho sem ocasionar fadiga para o paciente”, explica Blancaliz.

Gostou do trabalho? Conhece algo parecido? Deixe seu comentário!