Alunos conquistam prêmio com proposta de muro de LED na Cisjordânia

Ideias que iluminam. Os estudantes Caroline De Carli, de Arquitetura e Urbanismo, e João Pedro Lopes Andrade, de Engenharia Civil, foram premiados com o 3º lugar da CLUE Competition, concurso internacional de iluminação urbana, com o projeto Awallness, que faz uma crítica à construção do muro de separação na Cisjordânia, região central do conflito entre Palestina e Israel.

Projeto Awallness (Foto: Decom)

Projeto Awallness (Foto: Decom)

O objetivo do concurso era estimular os participantes a responderem, a partir dos projetos, como utilizar a iluminação pública para ir além de sua função tradicional e interagir com os sentidos humanos. E, assim, surgiu o Awallness. O nome faz uma combinação com as palavras awareness, “conscientização”, e wall, “muro”. A proposta era instalar painéis de LED nos dois lados da barreira construída na Cisjordânia, o que possibilitaria a visualização das pessoas que estão do outro lado. E mais: quando duas pessoas encostam no mesmo local de lados opostos do painel, um ponto vermelho aparece e um sensor permite que ambas se fale.

Esta foi a segunda vez que os alunos do Câmpus Curitiba (ah, e que também são namorados S2) participam desse tipo de competição. “A gente já vinha há algum tempo conversando a respeito da possibilidade de adentrar na área de concursos de arquitetura. Então eu pesquisei os que estavam acontecendo no momento, e esse nos pareceu o mais relevante; isso por levar em consideração a proposta do concurso”, comenta João Pedro.

Caroline De Carli e João Pedro Lopes Andrade, alunos do Câmpus Curitiba (Foto: Divulgação)

Caroline De Carli e João Pedro Lopes Andrade, alunos do Câmpus Curitiba (Foto: Divulgação)

Caroline explica que a inspiração para o desenvolvimento do projeto veio de edições anteriores do concurso, que já apresentavam trabalhos de cunho mais político: “Partimos da ideia de que precisávamos fazer algo que iria mexer com as pessoas; e, pelo feedback, conseguimos”.

O projeto competiu com outros 361, oriundos de 58 diferentes países, e foi o primeiro da América Latina a ser a premiado na competição. “Competir com profissionais que já possuem anos de experiência e desempenhar tão bem nos deixou com um sentimento de que temos muito a galgar nessa área ainda”, comemora João Pedro.

Parabéns, Caroline e João Pedro :)

Empreendedorismo na UTF: Tetris

A estrela desta semana da série “Empreendedorismo na UTF” tem nome de jogo eletrônico e está prestes a completar uma década de vida, conheça a Tetris! A empresa júnior de Engenharia e Arquitetura da UTFPR Câmpus Curitiba foi fundada em 2005 e trabalha com projetos arquitetônicos, topográficos, regularização de projetos na prefeitura, vistoria de obras e montagem de estruturas metálicas.

Para a construção da nova logo, a Tetris contou com o apoio dos alunos de Design

Para a construção da nova logo, a Tetris contou com o apoio dos alunos de Design

Nesses nove anos de atividades, a Tetris já mudou de nome, de sede, e até auxiliou a criação do Núcleo das Empresas Juniores da UTFPR, antes de alcançar a respeitável marca de 73 projetos realizados. Em seus primórdios, quando o orkut era moda e o XBOX 360 era boato, a Tetris atendia pelo nome de Empresa Júnior de Engenharia de Produção Civil, ou EJEPC, e tinha seu QG na Sede Centro do Câmpus Curitiba. O nome e a identidade visual foram trocados em 2007, em parceria com a alunos do curso de design. A mudança de endereço veio em 2011 com a fundação da Sede Ecoville, onde empresa está atualmente.

A Tetris hoje é composta por 4 conselheiros e 31 membros efetivos, divididos entre Departamento de Comunicação e Marketing, Departamento Jurídico-Financeiro, Departamento de Talentos Humanos, Departamento da Qualidade, Departamento de Projetos, e Presidência – cargo ocupado pelo estudante de Engenharia Civil Erick Felipe Ienke.

Membros da Tetris durante reunião de planejamento. (Foto: Divulgação)

Membros da Tetris durante reunião de planejamento. (Foto: Divulgação)

Ienke conta que seu trajeto dentro da empresa júnior começou ao perceber que vários de seus amigos estavam na Tetris e apresentavam grande desenvolvimento profissional: “Não quis perder a oportunidade. A princípio pensei muito no currículo, porém percebi que havia algo muito maior por trás e isso me deixou ainda mais motivado a me desenvolver e ajudar outras pessoas em seu desenvolvimento”.

Outro membro da Tetris que tem muito orgulho de ter entrado para o time é o também estudante de Engenharia Civil Luis Henrique Salles. Ele atua como gerente de projetos e lembra a importância do conhecimento adquirido em sala de aula. “Eu gerencio equipes para a realização de projetos. Para desempenhar minha atividade, preciso praticar meus conhecimentos de AutoCAD e também de gestão de pessoas, que são dois dos conteúdos vistos no curso”, comenta.

E falando em entrar para a empresa, os processos seletivos são realizados periodicamente e compostos por dinâmicas, entrevistas particulares e período trainee – no qual o candidato tem a oportunidade de conhecer melhor cada departamento da empresa e, no final, optar por aquele em que tem maior interesse. A Tetris é aberta a estudantes de Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo da UTFPR. Se for o seu caso ou de alguém que você conhece, vale a pena ficar atento ao site  e à página do Facebook da empresa. :)