Acadêmicos de Civil são finalistas do Desafio Universitário Empreendedor 2015

Três acadêmicos de engenharia civil do Câmpus Pato Branco se classificaram para a final nacional do Desafio Universitário Empreendedor 2015, organizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

A classificação veio após a etapa estadual, realizada simultaneamente em todos os estados da Federação entre os dias 13 e 15 de novembro. As atividades desenvolvidas nesta etapa tinham caráter eliminatório e foram compostas por três momentos de decisão e dois jogos empreendedores. Ao final, quatro participantes de cada estado foram escolhidos para etapa final do Concurso, que será realizada no período de 4 a 8 de dezembro na cidade de Brasília (DF).

Os alunos selecionados são: Anelise Dick, Higor Moraes Silva e Lindamara de Oliveira Basso. Ah, e eles também fazer parte da empresa júnior do curso, a PROJr, que já apareceu aqui no Blog do Aluno.

“Foi um negócio que a gente não esperava. Foram apenas três da UTFPR de Pato Branco, e os três de [Engenharia] Civil. Quando a gente viu o resultado, que foram exatamente os três de Civil, da UTF de Pato Branco pra Brasília, a gente demorou pra captar a ideia. Cada um fez o máximo que podia, até um pouco além, mas a gente não esperava esse resultado tão positivo pra Universidade e pra nós mesmos”, comenta Higor Silva em entrevista ao Diário de Sudoeste. É isso aí, a galera já está na mídia!

Lindamara, também finalista, destaca o que mais aprendeu com o concurso: “um quesito que a gente vê muito é a questão da procrastinação dentro da universidade, porque muitas vezes nós temos muito tempo pra realizar as atividades, então acabamos adiando, e quando vemos estamos em cima da hora e não conseguimos fazer com a qualidade em que deveríamos fazer. E lá, não. A gente tinha um tempo estipulado e tinha que cumprir com o tempo cronometricamente”.

“A questão do planejamento, na nossa equipe, ficou muito visível, porque durante as atividades a gente sempre fazia o planejamento, quem iria fazer o quê, quanto tempo iria durar”, enfatiza Anelise Dick.

Agora, é só aguardar a grande final! 😀

Sobre o Prêmio

O Desafio Universitário Empreendedor é uma competição, com caráter educacional, que reúne, em torno de rankings, diversas atividades e jogos com o propósito de disseminar conteúdos de gestão, inovação e empreendedorismo entre os jovens universitários.

Apesar de ser uma competição na qual há vencedores e prêmios, o objetivo do Desafio Universitário Empreendedor transcende os limites de uma competição. Nele, o que se busca é que a cultura empreendedora seja entendida e efetivamente assimilada, vindo a impactar positivamente os jovens universitários, preparando-os para os desafios do mercado, estimulando, desenvolvendo e aprimorando suas habilidades corporativas, promovendo a aprendizagem desses conceitos com base na experiência vivida por eles durante o processo decisório.

O ensino técnico da UTF vai acabar?

Muita gente falando, muitas versões para uma mesma história. Mas, afinal, o ensino técnico da UTF vai acabar?

Não é bem assim, pessoal.

As seleções para os cursos técnicos integrados de nível médio no Câmpus Curitiba (Eletrônica e Mecânica), de fato, serão realizados somente até segundo semestre de 2016. O número de vagas para o processo seletivo do próximo ano já será reduzido, de 40 para 20. A decisão foi tomada pelos departamentos responsáveis pelos cursos do Câmpus Curitiba (Segundo o Plano de Desenvolvimento Institucional da UTF 2013-2017, a decisão de abertura e fechamento de cursos cabe à administração de cada Câmpus, de acordo com as suas condições físicas e humanas. Nos Câmpus Pato Branco e Campo Mourão, por exemplo, os cursos serão ofertados normalmente).

Mas para entender essa questão, precisamos voltar um pouco no tempo.

Em 2005, quando o então Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (Cefet-PR) foi transformado em Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), a instituição passou a ser vinculada à Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação (MEC) e não mais à Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec). Por esta razão, a oferta de cursos, os investimentos e a contratação de docentes foram direcionados aos cursos de graduação e pós-graduação. Ou seja, houve uma mudança significativa na forma de atuação da UTF. 

E isso foi ruim? Pelo contrário! Olha só o vídeo abaixo:

Voltando, agora, ao fim dos cursos técnicos em Curitiba.

Essa decisão foi tomada pelos departamentos acadêmicos que ofertam os dois cursos técnicos do Câmpus Curitiba e vale apenas para esses cursos especificamente. Em contrapartida, o Câmpus ofertará os cursos de Engenharia Mecatrônica e Engenharia Ambiental e Sanitária.

Os outros dois cursos de nível técnico ofertados pela UTFPR – Informática do Câmpus Campo Mourão e Agrimensura do Câmpus Pato Branco – não sofrerão alterações. 

Mas isso não é pouco para a demanda da sociedade por ensino técnico?

Com todas essas mudanças, o Ministério da Educação estabeleceu que a oferta de cursos técnicos cabe, preferencialmente, aos Institutos Federais. E aqui no Paraná, o Instituto Federal do Paraná (IFPR) já tem câmpus em 21 cidades. Para conhecer mais sobre o Instituto e os cursos ofertados, clique aqui.

E qualquer outra dúvida, é só comentar aí em baixo. Pode deixar, que vamos responder tudo! 😉

 

Equipe de robótica PatoBots sobe ao pódio na Summer Challenge 2015, em MG

A equipe de robótica PatoBots, do Câmpus Pato Branco, foi uma das vencedoras da 3ª edição da “Summer Challenge 2015”, um dos maiores eventos nacionais de robótica realizo no início do mês na Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais.

Pódio da Summer Challenge 2015. Equipe da UTF conquista 2° lugar na competição

Pódio da Summer Challenge 2015. Equipe da UTF conquista 2° lugar na competição

Nesta edição, a equipe PatoBots competiu na categoria “Seguidor de Linha”  e obteve o 2o lugar com o robô “Robbie2.0” e o 11o lugar com o robô “Beta-Project”. Os dois robôs são frutos do Trabalho de Conclusão de Curso do acadêmico Márcio Luis Petry, de engenharia de computação, sob orientação dos professores Fábio Favarim, do Departamento Acadêmico de Informática, e César Rafael Claure Torrico, do Departamento Acadêmico de Elétrica.

Vista da pista de competição, na Universidade Federal de Lavras

Vista da pista de competição, na Universidade Federal de Lavras

Na avaliação do aluno, além de contribuir para sua formação profissional, a participação na competição o instigou a aprofundar cada vez mais os estudos nas mais diversas áreas de conhecimento e a buscar novas estratégias para vencer os robôs adversários. Ele comenta que nesta edição fez uso de Encoders, dispositivo capaz de mapear a pista e prever curvas antes de chegar nelas: “assim, foi possível acelerar ao máximo nas retas e reduzir a velocidade em cima da curva”.

“É uma emoção especial vencer equipes consagradas como a UFRJ e a Poli-USP, que estão há mais de 10 anos competindo nesse tipo de evento. Percebi uma grande evolução das equipes desde a Winter Challenge [também competição de robótica], assim precisamos integrar mais membros a nossa equipe e trabalhar num protótipo cada vez mais competitivo”, completa Petry.

Criada em maio deste ano, a equipe PatoBots já participou da edição de inverno da Winter Challenge, uma das tradicionais competições de robótica do País, e obteve o 13ª lugar na classificação nacional. Já em outubro, também na categoria  “Seguidor de Linha”, a galera participou do evento Face 2015, a nível regional, e obteve o 1° e 3° lugares com os robôs Robie 2.0.

É isso aí, com menos de um ano de funcionamento e a galera da PatoBots mandando ver nas competições de robótica 😀

Concurso de aplicativos AppChallenge

Tem algum ideia bacana de aplicativo? Que tal participar do AppChallenge?

O AppChallenge é um desafio acadêmico que tem o objetivo de estimular o envolvimento dos alunos em projetos voltados à utilização da tecnologia digital para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

A ideia é que os alunos desenvolvam um projeto de aplicativo para smartphone, sendo que a melhor proposta receberá um prêmio em dinheiro no valor de R$ 10 mil. Nada mal, né?

Para mais informações, basta acessar a página oficial da competição.

Boa sorte, galera!

 

Alunos da Engenharia Ambiental implantam coleta seletiva em escola infantil

Porque todo conhecimento tem que circular!

Estudantes de Engenharia Ambiental do Câmpus Londrina implementaram um projeto de coleta seletiva em uma das escolas públicas da cidade, o Centro de Educação Infantil Eurípedes Barsanulfo.

O projeto vem desde o início do segundo semestre letivo, quando os alunos começaram a disciplina de Gerenciamento e Tratamento de Resíduos Sólidos. Após estudarem a teoria, os alunos foram desafiados a realizar na prática o que haviam aprendido. Iniciaram, assim, as atividades a partir de um diagnóstico da situação do gerenciamento de resíduos na instituição (in loco) e, em seguida, partiram para o planejamento e execução da ação:

  • confecção de lixeiras;
  • transformação de uma caixa d’água em abrigo para os resíduos recicláveis até o momento da coleta;
  • confecção de adesivos para a identificação das lixeiras;
  • produção e impressão de cartilhas para as crianças e apostilas para a orientação dos professores.

“Todo o processo de concepção e realização do trabalho foi muito interessante, engrandecedor e gratificante, principalmente porque sabemos que o resultado de nossos esforços irá acrescentar na formação das crianças da Casa do Caminho e ensiná-las um pouco da cidadania que lhes será cobrada no futuro. Fico muito feliz e satisfeita por ter aprendido o conteúdo da disciplina de forma tão maravilhosa e generosa”, comenta a acadêmica Isabela Moreira.

Alguns registros da atividade 😉