Semana UTForce promove palestras e minicursos na área de mobilidade elétrica

Evento para a galera apaixonada por automobilismo!

O Câmpus Ponta Grossa sedia, entre os dias 22 e 26 de maio, a Semana UTForce 2017, evento que tem como pauta de debates e oficinas a ‘Mobilidade Elétrica e Geração Distribuída’. O objetivo é trazer para o ambiente acadêmico a discussão desta que já está sendo considerada a maior revolução na indústria automobilística desde o século XX.

utforce

A Semana promoverá palestras e minicursos das áreas relacionadas, além de disponibilizar certificado que pode ser utilizado como hora complementar.

A UTForce e-Racing é um projeto de extensão fundado em setembro de 2015 por acadêmicos do curso de Engenharia Eletrônica. Atualmente o projeto UTForce F-SAE e-Racing é composto por mais de 40 estudantes da UTFPR e integra alunos de Engenharia Eletrônica, Engenharia Mecânica, Engenharia de Produção, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Tecnologia em Automação Industrial.

A equipe também está inscrita na competição Fórmula F-SAE, uma competição que propicia aos estudantes de engenharia a oportunidade de aplicar na prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula, desenvolvendo um projeto completo.

Para mais informações, acesse a página da equipe.

Equipe Pato a Jato na Shell Eco-marathon Américas 2017

A galera da Pato a Jato voando cada vez mais alto 😀

A equipe de eficiência energética Pato a Jato, do Câmpus Pato Branco, representou a UTFPR e o Paraná pela terceira vez na maior competição de eficiência energética do mundo. A competição Shell Eco-marathon Americas aconteceu na cidade do automóvel, Detroit (EUA), no período de 27 a 30 de Abril.

E a participação veio com excelentes resultados \o/

1° lugar entre as equipes brasileiras que competiram na categoria protótipos movidos por motores à combustão interna;
2° lugar entre os protótipos movidos a etanol;
19° lugar entre os 86 protótipos inscritos.

Equipe da Pato a Jato na Shell Eco-marathon Américas 2017 (Foto: Divulgação)

Equipe da Pato a Jato na Shell Eco-marathon Américas 2017 (Foto: Divulgação)

O fato é que a galera ralou muito para conquistar esses resultados. O primeiro desafio foi chegar aos EUA. Afinal, levar um carro como volume que se adeque nos limites de uma bagagem despachada na companhia aérea não é nada fácil.

Vencido o primeiro, outros desafios estavam por vir…

“Competir em condições climáticas adversas, considerando chuva e frio, ao mesmo tempo em que se tentava manter o motor na temperatura adequada e se gerenciava o consumo da bateria durante a fila de espera para entrada na pista; além de passar por uma inspeção técnica severa, tendo que carregar ou comprar ferramentas e peças em um país estrangeiro para se adequar às exigências dos inspetores”, completa o professor Bruno Bellini Medeiros, um dos orientadores da equipe.

Na avaliação do aluno Matheus Alberto Bordignon, capitão da equipe, a participação da Pato Jato nesta edição da Shell Eco-marathon Americas evidenciou o amadurecimento dos acadêmicos em relação a 2015, ano de estreia na competição.

“Os membros souberam lidar e contornar situações árduas, algo que só com a dedicação e experiência poderia ser possível de se alcançar. Outro ponto a destacar foi a interação com equipes de diferentes países, quando todos estavam dispostos a ajudar outros times a solucionar problemas, emprestando materiais, discutindo sobre como melhorar os projetos e até mesmo a maneira como cada um trabalha e recebe seus apoios de patrocinadores. É muito gratificante poder representar a instituição UTFPR e o estado do Paraná”, destaca.

Confira mais algumas fotos da Pato a Jato na competição:

pato-a-jato2

Protótipo de Pato Jato nas pitas de Detroit (Foto: Divulgação)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

pato-a-jato5pato-a-jato7

pato-a-jato4

Plano de Desenvolvimento Institucional 2018-2022

Que lance é esse de PDI?

Certamente, você vai ouvir muito essa sigla nos próximos dias. PDI nada mais é que o Plano de Desenvolvimento Institucional da UTFPR. Ou seja, é o principal documento de planejamento da Universidade que identifica a filosofia de gestão, de pessoas, de ensino, pesquisa e extensão para o período 2018-2022.

Intercambio PDI

Os trabalhos de elaboração do PDI tiveram início oficialmente nesta quarta-feira (10) e irá contar com audiências públicas nos 13 câmpus da Instituição.

E é claro que todos podem (e devem) contribuir :)

Além das audiências públicas, que serão realizadas seguindo um cronograma já definido, a Comissão responsável pela condução dos trabalhos também conta com um formulário eletrônico para colher as sugestões.

Para conhecer o cronograma e saber mais informações sobre o PDI, é só clicar aqui 😉

 

 

 

 

 

Câmpus Francisco Beltrão se prepara para mais uma operação do Projeto Rondon

E mais uma vez os alunos da Tecnológica irão marcar presença no Projeto Rondon.

Os oito alunos do Câmpus Francisco Beltrão selecionados para a Operação Serra do Cachimbo já estão programando as oficinas que serão ofertadas aos moradores de Guarantã do Norte, no Mato Grosso. Os trabalhos serão desenvolvidos nos grupos de Comunicação, Meio Ambiente, Tecnologia e Produção e Trabalho. A equipe iniciará os trabalhos no dia 14 de julho. O objetivo é contribuir com soluções sustentáveis para a inclusão social e a redução das desigualdades regionais.

Integrantes da equipe do Câmpus Francisco Beltrão (Foto: Divulgação)

Integrantes da equipe do Câmpus Francisco Beltrão (Foto: Divulgação)

No mês de abril, a professora que coordena os trabalhos no Câmpus, Maici Leite, participou da viagem precursora na qual conheceu as necessidade e particularidades da região para a consequente adequação das oficinas. “Teremos um grande desafio já que o município tem um diferencial em extensão [territorial]. Há assentamentos que ficam há 45 quilômetros e a nossa equipe estará sempre se deslocando. Ao mesmo tempo, percebi que a cidade é afetiva e receptiva. A visita também auxiliou a pensar mecanismos para interagir com os moradores”, comenta a professora.

Alana Caroline Franceiskievicz, estudante de Engenharia Química e uma das integrantes da equipe, conta que viu no Rondon uma oportunidade de fazer a diferença na comunidade. “As oficinas são uma forma de melhorar a realidade das pessoas e, para mim, é uma oportunidade pessoal de exercitar a cidadania”, ressalta.

“Acho o Rondon maravilhoso. Duas colegas já participaram e os relatos delas me motivaram ainda mais. Assim que passei da metade do curso [requisito para se inscrever participei do processo de seleção. Estou animada”, conta Aloma Hancke, aluna de Engenharia Ambiental. Os estudantes integrantes da equipe foram selecionados por meio de um edital próprio.

Oficinas que serão ofertadas

COMUNICAÇÃO

– Internet e pesquisa avançada com foco nas políticas sociais do governo;
– Ferramentas OpenOffice (ou MS Office) para preparação de documentos e materiais informativos (folders, jornais, declarações etc.);
– Mídia Digital e Social (gerenciamento);
– Comunicação Comunitária;
– Assessoria de Imprensa e Comunicação Interna;
– Rádio Comunitária;
– Jornal Comunitário.

MEIO AMBIENTE

– Saneamento Básico e Fossa Séptica Biogestora;
– Captação da água e uso consciente;
– Reciclar, Reaproveitar, Reutilizar;
– Produtos de limpeza ecológicos;
– Filtro clorador de baixo custo;
– Compostagem para donas de casas e pequenos;
– Manejo Integrado de Culturas e Pragas em Olericultura Orgânica Produção de um biofertilizante.

TRABALHO

– Associativismo, cooperativismo e empreendedorismo;
– Atualização em Linux para servidores municipais;
– Ferramentas para Gerenciamento de Projetos;
– Gestão pública e de Projetos para Servidores Municipais;
– Turismo e Esportes;
– Desenvolvimento do Turismo Local;
– Educação Financeira Familiar.

TECNOLOGIA E PRODUÇÃO

– Refeição principal: reaproveitamento de alimentos;
– Sobremesa: reaproveitamento de alimentos;
– Horta orgânica (vertical);
– Higienização e conservação de alimentos.

Sobre o Projeto

O Rondon é uma ação interministerial do Governo Federal realizada em coordenação com os Governos Estadual e Municipal que, em parceria com as Instituições de Ensino Superior, reconhecidas pelo Ministério da Educação, visa a somar esforços com as lideranças comunitárias e com a população, a fim de contribuir com o desenvolvimento local sustentável e na construção e promoção da cidadania.

Tecnológica Esclarece: Auxílio Estudantil

00469_utfpr_esclarece_01_6244118222938215709

Sim, sabemos que estão rolando algumas dúvidas em torno do Programa de Auxílio Estudantil da UTFPR. Para respondê-las, a Assae, órgão ligado à Reitoria e que cuida especificamente desse assunto, divulgou uma nota esclarecendo alguns pontos.

Confira aqui a íntegra da nota

O primeiro é que, “o edital de 2017 foi lançado contemplando 12 meses de vigência, diferentemente dos anteriores, que eram semestrais”. Ou seja, a um mesmo aluno passou a ser garantido o dobro de bolsas, de maneira que que não seja necessário uma nova inscrição no segundo semestre. Segundo a nota, “essa mudança foi fruto de uma reivindicação dos estudantes e apoiada pelos Núcleos de Atendimento Psicopedagógicos (Nuapes) dos câmpus da UTFPR”.

Somente nesta edição, a UTFPR recebeu 1.073 novas inscrições em relação ao segundo semestre de 2016, o que totalizou 7.069 inscritos. A Assae esclarece que, no entanto, “o recurso do PNAES (Programa Nacional de Assistência Estudantil), distribuído pelo governo federal, não cresce na mesma proporção que a entrada de novos estudantes ao Programa de Auxílio Estudantil na UTFPR”.

“O recurso financeiro disponível para 2017 é de R$19.194.981,00, dividido em duas parcelas: 80% para atender à seleção do primeiro semestre e 20% para atender a do segundo semestre. Este recurso é destinado somente aos estudantes de graduação. A UTFPR auxilia os demais estudantes do ensino técnico e da pós-graduação stricto sensu com recursos de custeio não oriundos do PNAES”, acrescenta o órgão.

Com o recurso disponível para este primeiro semestre letivo, foi possível contemplar 2.201 estudantes de graduação e 30 estudantes dos demais níveis de ensino (estes, com recursos de custeio da UTFPR). Ao todo, foram 7.069 inscrições, sendo 5.224 deferidas, 1.033 não homologadas e 812 indeferidas. Já para o segundo semestre letivo, a expectativa é contemplar 600 estudante com os outros 20% dos recursos.

A seleção dos alunos bolsistas se dá em duas etapas:

1ª etapa, de deferimento – quando os estudantes entregam toda a documentação exigida.

2ª etapa, de homologação – quando as inscrições deferidas (aquelas com a documentação ‘ok’), são ordenadas por ordem decrescente do Índice de Vulnerabilidade, definido no próprio edital.

Ou seja, a condição de “inscrição deferida” não estabelece vínculo para a concessão da bolsas, uma vez que a ideia sempre foi contemplar os alunos que mais precisam das bolsas, já que o recurso disponível é menor do que a real necessidade.

Até o fim desta semana, a Assae irá publicar a Lista de Espera do Programa, constituída por estudantes com inscrições deferidas, mas não contemplados por falta de recursos financeiros. A Lista servirá para futuras convocações nos casos de alguma desistência dos alunos já contemplados ou em possíveis vagas remanescentes no segundo semestre.

Ainda está com dúvida quanto algum processo do Programa? A  Assae está disponível esclarecer, basta encaminhar e-mail para o seguinte endereço 😉 assuntosestudantis@utfpr.edu.br