Trabalho da UTFPR é exposto em mostra internacional de design

No último domingo, dia 28, chegou ao fim a edição 2015 do maior evento de cenografia do mundo, a Quadrienal de Praga: Espaço e Design Cênico. E entre os trabalhos expostos, criados por profissionais do mundo inteiro, estava o livro Sinal Fechado, projeto desenvolvido por alunos da UTF Câmpus Curitiba. :)

Equipe (esq. p/ dir): Paulo Abreu, Maiara Donadoni, Jonatas Nascimento, Maíra Fernandes e Luiz Castro

Para conhecer o projeto e saber como ele alcançou a República Checa, conversamos com os alunos de design Jonatas Carvalho e Maíra Fernandes Costa, que fazem parte do grupo criador do projeto. Confira:

Blog – Como surgiu e como vocês definem o Sinal Vermelho?

Maíra – Bom, fomos convidados pelo Professor Ismael Schefller para o II Programa de Extensão e Cenografia que consistia em um projeto de cenografia para a Mostra de Escolas Brasileiras na Quadrienal de Praga. O tema abordado dessa edição foi política, interação das pessoas e da cidade podendo resultar em cenografias ou instalações.

Jonatas – O Sinal Fechado é um projeto de cenografia em que se tentou retratar os mecanismos do convívio num espaço compartilhado. É uma forma de mostrar que a relação entre as pessoas ocorre de formas diferentes num determinado espaço, oscilando entre sua individualidade e o coletivo.

Blog – Como foi o desenvolvimento do projeto?

Jonatas - Foi uma boa experiência, tanto no sentido de desenvolver um novo projeto fora do habitual como no de viver aquilo que estava sendo estudado. O tema proposto pela Quadrienal foi espaço compartilhado. Foi um projeto coletivo, assim, o próprio desenvolvimento do trabalho demonstrou o que queríamos retratar. Houve um grande compartilhamento de ideias desde o início, criando esse jogo entre a visão de cada um dos integrantes e o que todos viam no projeto coletivo.

Começamos com exercícios propostos por nosso professor Ismael, que acompanhou o projeto, no intuito de aprender e identificar melhor o espaço e suas relações, algo que descobri não conhecer tão bem como acreditava. E só a partir daí começamos a analisar de forma mais profunda nossas ideias.

Resolvemos partir da letra da música “Sinal Fechado”, de Paulinho da Viola, que trata do tema abordado de forma brilhante. Tentamos expandir o sentido da letra, não criar uma cenografia para a música, mas sim tentar mostrar o sentimento mais interno retratado nela, aquilo que é nativo a todas as pessoas. Decidimos que o espaço criado colocaria em prática seu conceito, um labirinto de relações, sem plateia, os próprios observadores deixariam sua posição passiva e criariam vínculos com outras pessoas a partir de nossa estrutura, intensificando a briga entre espaço individual e público nas interações que ocorrem lá dentro.

Quando definimos a forma e o que o projeto iria comunicar, passamos ao que considero a parte mais difícil do percurso, que foi traduzir este conceito ao suporte que a Quadrienal de Praga delimitou, que seria um livro. Por fim, conseguimos criar um livro que personifica esse labirinto social, criando múltiplos caminhos e relações com quem o manuseia. Posso dizer que o livro apresentado na Quadrienal traduz com precisão o conceito que queríamos passar.

Blog – Para vocês, qual o significado de ter um trabalho exposto da Quadrienal de Praga?

Maíra – O projeto já valeu a pena por todo o processo, mas ver o resultado dele exposto, sendo selecionado na mostra de Brasília e estando hoje exposto junto a outros projetos representando as escolas brasileiras que estudam cenografia é ótimo! A Universidade deve cada vez mais incentivar seus alunos nesses projetos, oferecer apoio e até para projetos futuros incentivar financeiramente a ida desses alunos para representar pessoalmente seus projetos.

Jonatas – Pessoalmente, esta seleção me mostrou que estamos no caminho certo, produzindo algo com conteúdo, que merece ser visto e faz diferença. Por alguns momentos a ideia de ter um trabalho exposto fora do Brasil me assustou, tudo parece grande e fora de alcance, mas a seleção confirmou que não é bem assim. A exposição é grande, mas o que desenvolvemos também é. Encontro importância também no cenário brasileiro, como um dos representantes nacionais na mostra, reforçando que queremos nosso lugar no quadro internacional.

Além de Jonatas, Maíra e do professor orientador Ismael Schefller, são também criadores do projeto os alunos de design Maiara Donadoni e Paulo Abreu, e Luiz Ricardo Castro, de arquitetura. Você pode conhecer mais o trabalho do grupo acessando a página o livro.

Parabéns, pessoal!

Inscrições abertas para o UTFest 2015

Olha aí, galera de Ponta Grossa! Que tal mostrar um pouco do seu talento para todo o Câmpus?

O tradicional UTFest, festival de talentos do Câmpus Ponta Grossa, está com inscrições abertas para a sua edição 2015. A ideia é oferecer aos alunos e servidores um espaço para revelar seus talentos em diversas áreas culturais.

Programação do UTFest

Ao todo, são seis categorias: culinária (regulamentoinscrição), dança (regulamentoinscrição), desenho (regulamentoinscrição), fotografia (regulamentoinscrição), literatura (regulamentoinscrição) e música (regulamentoinscrição). Mas, atenção! Devido à necessidade de maior tempo para análise da comissão julgadora, algumas dessas categorias têm o prazo de inscrição um pouco mais curto. Então, o lance é não perder tempo!

E não precisa ser craque para participar do UTFFest. Uma das novidades desta edição do evento é a oferta de nove oficinas culturais – teoria musical, teoria vocal, teatro, desenho, escrita criativa, fotografia, culinária, pedal de guitarra, dança de salão – a um custo de R$ 10, cada; exceto a de pedal de guitarra, que custa R$ 40. Ah, e tem promoção: ao inscrever em duas oficinas, a terceira é gratuita! Clique aqui para fazer a inscrição.

Todas as oficinas e apresentações do concurso serão realizadas entre os dias 31 de agosto e 04 de setembro. Um último dia evento será marcado por uma grande festa, quando serão conhecidos os vencedores do concurso.

 

Abertas inscrições para as bolsas de auxílio estudantil do segundo semestre

Já estão abertas as inscrições para o processo seletivo do Auxílio Estudantil do segundo semestre letivo de 2015. Para os veteranos, o prazo é até o próximo dia 30 para inscrição online e entrega dos documentos no Nuape – exceção aos veteranos do Câmpus Pato Branco que terão até o dia 3 de julho para se inscreverem.

Pode ser candidato o aluno regularmente matriculado em cursos presenciais da UTF, que tenha renda familiar per capita inferior a um salário mínimo e meio nacional.

Conheça as diferentes bolsas oferecidas:

Auxílio Alimentação: concedido na forma de crédito para refeição nos Restaurantes Universitários da Instituição; para os estudantes do Câmpus Santa Helena, que ainda não possui Restaurante Universitário, será concedido um valor mensal de R$ 150,00;
Auxílio Básico: concedido na forma de recurso financeiro, no montante de R$200,00 mensais;
Auxílio Moradia: concedido para os alunos que moram fora do seu domicilio familiar, é ofertado o Auxílio Moradia no valor mensal de R$ 300,00;
Auxílio Instalação: concedido em uma única parcela e destinado exclusivamente ao estudante ingressante. O valor de R$400,00 visa contribuir com as despesas relacionadas com a instalação do estudante no município onde está situado o Câmpus da UTFPR.

As inscrições online estão divididas em duas modalidades:

Modalidade 1 – preenche-se o Termo de Compromisso Resumido. É destinado ao estudante que já teve auxílio concedido no primeiro semestre letivo de 2015 e deseja manter o mesmo índice de vulnerabilidade, ou seja, a pontuação obtida na avaliação anterior. É importante lembrar que o estudante irá concorrer com os demais inscritos em igualdade de condições.

Modalidade 2 – preenche-se o Termo de Compromisso Completo. É feito para calouros e demais veteranos, que farão o novo cadastro do perfil socioeconômico e atualização dos dados de composição familiar.

A lista de documentos exigidos e o prazos de inscrição para os calouros estão no edital. Para mais informações, acesse a página do Auxílio Estudantil, ou dê uma passadinha no Nuape do seu câmpus.

Boa sorte a todos. :)

Hora de avaliar o trabalho dos professores!

Está aberto, até o próximo dia 9, o período de Avaliação do Docente pelo Discente da UTF. Avaliação é uma ferramenta para o acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem, onde o aluno dá ao professor sua opinião e sugestões para a melhoria das aulas.

A avaliação consiste em duas etapas. Na primeira, é dada a opção de mensurar o desempenho do docente com notas de 1 a 5 nos quesitos:
Conteúdo
: o professor demonstra conhecimento a respeito do conteúdo?
Didática: o professor apresenta o conteúdo de forma clara e objetiva?
Planejamento
: o professor apresenta as ações a serem realizadas durante o período letivo?
Avaliação
: o professor estabelece previamente os parâmetros da avaliação?
Relacionamento: o professor mantém postura adequada à prática do ensino?

Há, também, o campo Comentários e sugestões para este(a) Professor(a) e/ou Disciplina, onde o estudante pode complementar sua avaliação expondo pensamentos, criticas e/ou elogios.

As notas e comentários chegam aos professores de forma anônima. Mas é importante ter responsabilidade ao se manifestar. O foco deve ser dado em pontos práticos e construtivos, evitando comentário emotivos ou desrespeitosos – há inclusive a possibilidade de que seja revelado o nome de autores de textos que contenham ofensas pessoais ou denúncias infundadas, por exemplo.

Avaliação é facultativa e está disponível no campo Avaliação do Professor, dentro no portal do aluno. O Câmpus Dois Vizinhos produziu um vídeo tutorial que mostra passo a passo o procedimento:

Para mais informações, acesse a página do portal que explica a Avaliação.

Lançamento do foguete UTF em 3, 2, 1…

Imagine lançar um foguete após três meses de trabalho? Foi isso o que fizeram cinco alunos de engenharia do Câmpus Curitiba da UTFPR, Andressa Carolinne del Monego (Elétrica), Carlos Kruppa, Lawrence Miers Samburgo, Pedro Murilo Souza de Quadros e Valquiria Yurie (Mecânica).

Em pouco tempo, o grupo se reuniu e conseguiu projetar três espaçomodelos para participar do II Festival de Minifoguetes de Curitiba, realizado no mês abril. Dois dos espaçomodelos ficaram com a segunda colocação nas categorias Classe A e Apogeu 100 metros.

Pedro conta que o grupo queria realizar um projeto em nome da Instituição, que pudesse ser melhorado constantemente pelos futuros alunos, assim como os projetos Aerodesign e Baja. “Também temos a vontade de promover o crescimento pessoal e o aprendizado de coisas novas”, diz. A equipe pretende fazer mais lançamentos neste ano para melhorar a confiabilidade e a estabilidade dos espaçomodelos.

O trabalho dos alunos busca trazer para a realidade o comportamento que é projetado virtualmente. “Usamos um software que faz a simulação do lançamento dos foguetes e que também altera o comprimento do corpo, a dimensão das empenas, o formato do nariz e outros detalhes do foguete”, conta Pedro.

A ideia é que futuramente haja uma rampa de lançamento, um sistema de ignição e uma célula de carga para medir a força de motores e para fazer classificações. Pedro explica “Ainda é um projeto pequeno, que queremos deixar como um legado para a UTFPR”.

Gostou? A equipe recruta novos integrantes. Para saber mais, acesse a página do grupo no Facebook.