Projeto do Câmpus Pato Branco auxilia alunos na preparação para o Enem

Estudantes do Câmpus Pato Branco da UTFPR se reuniram para criar um projeto de extensão para alunos de escolas públicas na cidade. As atividades desenvolvidas tem como objetivo melhorar o desempenho dos alunos do Ensino Médio que farão as provas do Enem. A proposta é conscientizar sobre a importância do Exame e incentivar os estudantes a ingressarem no Ensino Superior.

A execução do projeto começou em abril e já foram realizadas diversas ações como, por exemplo, apresentação da estrutura do Câmpus Pato Branco e seus cursos. Além disso, os alunos já realizaram ações interativas abordando os conteúdos cobrados no Enem.

002
Segundo a pedagoga Neldi Rossini, do Colégio Estadual São João, participante do projeto, “as abordagens adotadas estão motivando os estudantes a perceberem a importância da leitura e do estudo disciplinado”. Neldi também comentou que o projeto é importante para os alunos continuarem os estudos tendo a consciência que o ensino público superior é uma oportunidade alcançável.

E o calendário dessa galera está a mil! Os alunos terão acompanhamento, suporte e avaliações sobre o Exame, além de oficinas de redação com acadêmicos do curso de Licenciatura em Letras. Os alunos serão auxiliados ainda nos procedimentos pós-prova, nas inscrições do Sisu, Prouni e Fies. Ah, so término do projeto, o aluno que tiver o melhor rendimento no Enem cumprindo todos os requisitos determinados, ganhará um notebook.

E quem gostou da iniciativa e deseja ajudar, é só entrar em contato com a Maria Helena Belusso, uma das coordenadoras do projeto, através do email mariabelusso@hotmail.com.

Alunos conquistam medalhas na Olimpíada Internacional de Matemática

Os alunos do curso técnico integrado em Agrimensura do Câmpus Pato Branco conquistaram duas medalhas na Olimpíada Internacional de Matemática Sem Fronteiras (MSF). A competição, que teve as provas aplicadas em abril, contou com a participação de equipes formadas por alunos do ensino fundamental e médio.

É a primeira participação da UTFPR na Olimpíada. Foram premiadas as turmas do 2° e 4° anos do curso técnico de Agrimensura. A nível estadual, o 4° ano conquistou medalha de prata e o 2° ano, medalha de bronze. Considerando todas as escolas brasileiras, as duas turmas receberam medalhas de bronze.

A MSF possui características específicas. Cada classe resolve apenas uma prova, ao contrário das demais olimpíadas convencionais, onde os alunos respondem individualmente as questões.  Outro diferencial é que também há questões formuladas em língua estrangeira: espanhol, francês ou inglês. Neste caso, a turma escolhe um idioma de preferência para as questões.

O objetivo da Olimpíada é promover uma aproximação dos estudantes com o estudo da matemática e mostrar a importância das línguas modernas na atualidade e, além de tudo, estimular o trabalho coletivo dos alunos.

Parabéns, galera!

11º Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero

Estão abertas até o próximo dia 29 de julho as inscrições para a 11ª edição do Prêmio Construindo a Igualde de Gênero, concurso de redações, artigos científicos e projetos pedagógicos na área das relações de gênero, mulheres e feminismos.

Confira as categorias e premiações:

•  Estudante do Ensino Médio – redações
– Etapa Nacional: LAPTOP , para cada uma (um) das (os) 3 (três) candidatas (os) agraciadas (os).
– Etapa Unidade da Federação: TABLET , para cada uma(um) das(os) candidatas (os) selecionadas (os).

•  Estudante de Graduação e Graduada(o) – artigos científicos
– R$ 5 mil para cada uma (um) das (os) 2 (duas/dois) candidatas (os) agraciadas (os).

•  Estudante de Mestrado e Mestra(e) – artigos científicos
– R$ 8 mil para cada uma (um) das (os) 2 (duas/dois) candidatas (os) agraciadas (os).

•  Estudante de Doutorado e Doutora(or) – artigos científicos
– R$ 10 mil para cada uma (um) das (os) 2 (duas/dois) candidatas (os) agraciadas (os).

• Escola Promotora da Igualdade de Gênero – projetos e ações pedagógicas desenvolvidos em escolas de nível médio
– R$10 mil para cada uma das escolas premiadas, sendo até uma por Unidade da Federação que devem ser, necessariamente, aplicados na ampliação e/ou fortalecimento de ações para promoção da igualdade de gênero, sendo vedada despesas na rubrica “capital”.

•  Secretarias Estaduais e Municipais de Educação – projetos e ações para a promoção da igualdade de gênero
– Selo datado de “Secretaria Promotora da Igualdade de Gênero” para cada uma das 5 (cinco) Secretarias Estaduais e Municipais de Educação premiadas.

Ah, e o CNPq, um dos organizadores do concurso, também poderá conceder uma bolsa de estudo, no país, para desenvolvimento de projeto/tema do Prêmio para cada uma(um) das(os) agraciadas(os) das categorias relacionadas

As inscrições devem ser feitas diretamente na página do Prêmio.

O Prêmio foi instituído em 2005 pela então Secretaria de Política das Mulheres da Presidência da República, no âmbito do Programa Mulher e Ciência , em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECADI/MEC); a Secretaria de Educação Básica (SEB/MEC) e a ONU Mulheres.

Estudantes de Comunicação doam livros para instituições de Curitiba

E olha só como os projetos dos cursos podem se transformar em atitudes muito bacanas!

Na última semana, os estudantes de Comunicação do Câmpus Curitiba realizaram uma doação de livros para o Pequeno Príncipe, o Pequeno Cotolengo e as Tubotecas da cidade. A ação proposta foi apresentada à disciplina de Gestão de Projetos e visava dar aos livros esquecidos um novo rumo, para que eles fossem novamente aproveitados.

O projeto recebeu o nome de “Entrelivros” e convidou alunos, servidores e professores a doarem livros que não eram mais utilizados. Quem desejava levar para casa algum exemplar só precisava deixar outro para a doação.

13499876_1300857003265709_1474801655_o

Projeto de alunos de Comunicação arrecadou cerca de 500 livros em dois dias

Sem restrição de conteúdo para os gêneros dos livros, a coleta foi realizada em dois dias (23 e 24/06) e a meta, inicialmente de 200 livros, rapidamente atingiu o número de 500 obras recebidas.

Um dos criadores do projeto, Marcio Tamura, contou que a proposta era fazer alguma intervenção dentro da Universidade. Quando a equipe decidiu o tema, a ideia foi promover a doação de livros e, ao mesmo tempo, estimular a leitura de todos que tivessem contato com o trabalho.

Bela iniciativa, galera! 😉

Equipes de Medianeira e Francisco Beltrão representam a UTFPR no Projeto Rondon

Você já ouviu falar do Projeto Rondon? Bom, essa é a hora para saber um pouquinho mais sobre as ações super legais que eles realizam. Coordenado pelo Ministério da Defesa, o projeto de cunho voluntário e de integração social envolve a participação de alunos universitários, que buscam atender as necessidades de desenvolvimento sustentável em comunidades carentes do País. Assim, os rondonistas executam ações que possam ajudar na qualidade de vida das populações locais.

Durante as férias de julho, a UTFPR conta com duas equipes representando a Instituição. A do Câmpus Medianeira faz parte da Operação Forte dos Reis Magos, no município de João Câmara, no Rio Grande do Norte (RN), e a de Francisco Beltrão irá atuar na Operação Itapemirim, no município de Vargem Alta, no Espírito Santo (ES).

A equipe de Medianeira está embarcando nesta quinta-feira (07) para Natal (RN) e de lá seguirá até seu destino final. Antes da viagem, o reitor Carlos Eduardo Cantarelli recebeu em seu gabinete o grupo, que é formado pelos professores Marlos Grigoleto e Carlos Fernandes e pelos alunos Alice Geniake (Engenharia de Alimentos), Diego Nogues (Engenharia de Alimentos), Heber Borges (Engenharia Elétrica), Jhenifer Bastos (Engenharia Ambiental), João Paulo Avelino (Engenharia de Produção), Micheli Ferreira (Engenharia Ambiental), Thais Minosso (Engenharia de Produção) e Tiago Reichert (Ciência da Computação).

projeto rondon

Equipe de Medianeira é recebida pelo reitor Carlos Eduardo Cantarelli

O professor Marlos explica que o plano é executar oficinas de multiplicadores nas áreas de economia solidária, meio ambiente, gestão e empreendedorismo e formação de professores. “O objetivo principal é levar os conhecimentos adquiridos na universidade para além dos portões, apresentando um pouco da UTFPR para esse Brasil”, conta.

Os alunos estão empolgados para começarem a agir. Alice, por exemplo, decidiu participar do projeto por se identificar com ações voluntárias e querer fazer parte dessa troca de conhecimentos que o grupo se propõe a fazer. “Eu me senti impactada pelo projeto. Espero poder agregar os conhecimentos adquiridos no projeto tanto na área acadêmica quanto na minha vida pessoal”, afirma. Já Jhenifer, que atuará na área de educação ambiental, acredita que além dos ganhos para a população, o projeto também será benéfico para o meio ambiente, uma vez que as pessoas da região terão uma nova perspectiva sobre preservação. A Operação Forte dos Reis Magos começará no dia 9 de julho e será finalizada no dia 25.

Na semana que vem, é a vez da equipe de Francisco Beltrão embarcar para o Espírito Santo. O grupo é composto pelos professores Flávio de Almeida e Andréa Badaró, pelos alunos Camila Grünwaldt, Cristina Belicanta, Daniela da Silva, Jaqueline de Moura, Luana de Mello, Luiz Carlos Santos, do curso de Engenharia Ambiental, e pela aluna Tatiane Batista, do curso de Tecnologia em Alimentos. A Operação Itapemirim terá início no dia 15 de julho e será finalizada no dia 31.