Tecnologia e inclusão

 

A vida das pessoas com deficiência é repleta de desafios. Em muitos, a tecnologia pode ser uma importante aliada. É o caso, por exemplo, do relógio desenvolvido pelos alunos Felipe Gonsalez Honório e Jean Michel Wolf e apresentado como Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Engenharia Elétrica (Câmpus Curitiba).

Protótipo do modelo apresentado como TCC de Engenharia Elétrica (Imagem: Reprodução/Ascom-CT)

Protótipo do modelo apresentado como TCC de Engenharia Elétrica (Imagem: Reprodução/Ascom-CT)

Destinado especificamente a deficientes auditivos, o dispositivo (foto ao lado) funciona por meio da comunicação bluetooth com um smartphone e, através de vibrações e alertas visuais, auxilia o usuário em diversas tarefas do cotidiano como, por exemplo, atender a um telefonema, enviar/receber mensagens SMS, acordar no horário com o alarme do aparelho celular ou se programar através de uma agenda eletrônica.

Tudo é gerenciado por um aplicativo próprio, o Lepee, que permite configurar as atividades a serem acionadas no relógio. O produto conta ainda com uma bateria recarregável via micro USB.

Segundo os estudantes, existem outros modelos no mercado que buscam atender as mesmas necessidades, entretanto, o mais simples disponível não é encontrado por menos de R$ 500. A pretensão é que o custo total do produto não ultrapasse os R$ 250.

Um bom exemplo de como o conhecimento pode ser voltado para os que mais necessitam! ;)

Estágio: o caminho para começar

Dizem que tudo é culpa do estagiário… E você, com certeza, já deve ter culpado um deles por alguma gafe, não é mesmo?!

A verdade é que apesar da vida corrida de estagiário o período de estágio, sem dúvidas, é um dos mais divertidos e importantes na vida acadêmica, afinal, é através dessa experiência, que um jovem universitário cheio de teorias começa a enfrentar a vida dura do mercado de trabalho e da profissão que escolheu na prática.

A importância do Estágio e o futuro profissional

Que fique claro que o estágio não é apenas uma burocracia necessária para você conseguir seu diploma. Segundo pesquisa da empresa InterScience – Informação e Tecnologia Aplicada, 49% dos ex-estagiários, que trabalharam em empresas privadas, foram contratados para continuar nas organizações onde estavam e 15% receberam melhores propostas, totalizando 64% de efetivação em regime CLT. Dentre os benefícios relatados entre os estudantes entrevistados, estão a aquisição de desenvoltura, “jogo de cintura”, postura profissional necessária ao ambiente profissional, melhora no relacionamento interpessoal e da expressão verbal, e claro, a possibilidade de conhecer contatos profissionais e integrar-se ao mercado com mais possibilidades.

À procura de um estágio? O mundo virtual pode ajudar!

Geralmente, se não houver limitação do empregador, universitários já podem ser recrutados a partir do segundo período acadêmico (wow!). Mas, como fazer para agarrar uma boa oportunidade de estágio? Onde encontrá-las?

O primeiro passo para o sucesso da sua jornada, certamente, é atualizar seu currículo vitae (saiba como aprimorá-lo aqui) e ir em busca de ofertas de estágios nos mais diversos sites da internet! Mídias sociais de grandes empresas também dão uma mãozinha, por isso é importante ficar atento ;)

Confira a lista de instituições que disponibilizam diversas vagas de estágio (em várias cidades do Paraná). Faça seu cadastro e encontre sua vaga :)

Nube
CIEE (Centro de integração empresa-escola)
IEL-PR
Estagiários.com
Estágio.net
SAEE – Serviço de Apoio a Empresa e a Escola
SINE – Site Nacional de Empregos
Central de Estágio do Paraná 

Obs1: Pra você que participa ou pretende participar do programa Ciência sem fronteiras, tem vaga pra você também aqui ;)
Obs2: Quer ter um pouquinho mais de flexibilidade e passar mais tempo na universidade? Há vagas de estágio dentro da UTF também! Confira as vagas disponíveis no seu câmpus aqui!

OPORTUNIDADE: No câmpus Curitiba Sede Centro ocorrerá uma super feira de estágios, com stands de grandes empresas como Ambev, Bematech e Huawei, recrutando universitários para fazerem parte do seu time. Ficou interessado? Mais informações da 12ª Feira de Estágios da Tecnológica no link ;)

Um Like para a Equipe Grifo Aerodesign

Quem quer ir para a SAE Brasil AeroDesign? A competição de aerodesign atrai estudantes e futuros profissionais da engenharia da mobilidade de todo o país. Não poderia ser diferente na UTF. Temos pelo menos cinco equipes estudando e desenvolvendo projetos: a Acalântis  – Curitiba -, a UTFalcon – Ponta Grossa -, a Abutres – Cornélio Procópio -, a Wizard Wings of Wolf – Guarapuava -, e a Grifo de Londrina. Essa última precisa da nossa ajuda e este post é para ela!

A Equipe Grifo Aerodesign foi fundada em março de 2014, por alunos dos cursos de Engenharia Mecânica e Engenharia de Materiais, justamente para participar da SAE BRASIL – além, claro, de adquirir conhecimentos na área da Engenharia Aeronáutica. O plano do grupo é participar da categoria Micro, que consiste no desenvolvimento de projeto aeronáutico restrito por um motor elétrico.

Mas há um porém: a equipe precisa de patrocínio para o apoio financeiro.

Tentando contornar o problema, a Grifo entrou em contato com a empresa Starrett – patrocinadora de outras equipes na competição, entre elas a UTFalcon e a Acalântis – que, para conceder o patrocínio, propôs três etapas de avaliação à Grifo. As duas primeiras diziam respeito a dados da equipe e do projeto, e já foram vencidas. Agora, a terceira etapa é uma corrida por “likes”. A equipe terá que conseguir 500 “likes” pela página da Starrett.

Então, bora ajudar os coleguinhas? Para dar uma força, basta acessar a página da Starrett, preencher um pequeno cadastro e escolher em “Universidade” a “Equipe Grifo Aerodesign – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Londrina”. É rápido, simples e não custa nada!

A competição será realizada na cidade paulista de São José dos Campos, entres os dias 29 de outubro e 1º de novembro. Estaremos aqui na torcida. Boa sorte às cinco equipes! :)

Descubra quem empresta mais livros nas bibliotecas da UTFPR

Já estamos no quinto mês do ano e… quem aí já leu alguns livrinhos durante esse período?! :lol:

Se você não é ou não conhece nenhum leitor assíduo ou sofre com a síndrome de sonolência pré-leitura, lhe apresentamos agora os estudantes que conquistaram o pódio dos empréstimos de livros das bibliotecas da UTF, por que nem só de aulas e exercícios vivem todos os estudantes.

Farley Custódio é o primeiríssimo leitor da lista. É ele quem já deu uma folheada em 80 livros apenas nesses cinco primeiros meses de 2015!

Farley é acadêmico do curso de Engenharia Florestal do Câmpus Dois Vizinhos, e usa os livros como fontes de pesquisa para seus trabalhos acadêmicos, apoio nos estudos pós-aulas e entretenimento também, é claro. “Penso que a leitura é a melhor forma de entretenimento. Ela desperta a imaginação, a criatividade e proporciona também o ganho de conhecimento”, conta. Para ele, os livros são altamente confiáveis, e, por isso mesmo, não costuma utilizar a internet e o Google Acadêmico como fonte de pesquisa. “Os livros ainda são a melhor ferramenta para consulta”, defende.

Já o segundo colocado na lista, o estudante de Engenharia Civil do Câmpus Curitiba Thiago Liebl, emprestou apenas UM livro a menos que Farley – o que totalizam lindos 79 livros. A maioria, diz ele, emprestada para estudar assuntos acadêmicos. “Eles conseguem passar o conteúdo de modo mais aprofundado, de maneira organizada e que facilita o aprendizado”, relata. Para Thiago, a leitura é uma ação que torna as pessoas melhores, obtendo conhecimento exterior e interior, o que faz melhorar a si mesmo.

Igualmente apaixonada por livros, o nosso terceiro lugar levou 75 livros pra casa pra conferir um pouco mais de assuntos acadêmicos. Elaine de Almeida, do curso de Química do Câmpus Curitiba, acredita no poder da leitura como a possibilidade de conhecer o mundo lá fora. “Ler é nutrir a mente, é se perder na imaginação e aprender a questionar”, diz.

Assim como Farley, o 1º colocado, ela confia nos livros como fonte de pesquisa. “Eles (os livros) são o meio mais confiável de se saber sobre algum assunto, sem esquecer o prazer que este proporciona, não só ajudando a responder suas perguntas, como também descobrindo novos meios de pensar e resolver problemas”, explica.

Para conquistar o hábito de leitura, é preciso de força de vontade e empenho para cair de vez no que o livro tem a nos contar. E depois de entender o que foi lido, é preciso deixar aquilo transformar você e o seu modo de pensar.

“Ler lhe fornece diversas ferramentas para um autodesenvolvimento. É transformador, possibilita conhecer pessoas, estilos de vida, lugares e histórias. Ler permite a você obter conhecimento exterior e interior, a melhorar a si mesmo. Ler é aventurar-se ao desconhecido, conhecer o mundo pela visão do autor. Ler é viver”.
Thiago Liebl

Se ler é viver… Então que tal pegar logo algum livro e embarcar na leitura?! ;)
Para isso, os leitores recordistas da universidade indicaram alguns dos seus livros preferidos para começar a jornada:

Clique na imagem para ler melhor as indicações :)

Precisamos falar sobre pós-graduação: uma estudante, dois diplomas

Hoje, nossa série vai da França para Portugal. É lá onde a mestranda e graduanda em Engenharia Química, Tatiana La Banca Schreiner, está desenvolvendo sua pesquisa – por meio de um convênio entre a UTFPR e o IPB (Instituto Politécnico de Bragança). Como assim graduação e mestrado? Juntos? Acompanhe a história da Tatiana e entenda um pouco mais sobre uma forma um pouco diferente de fazer pós: a dupla diplomação. :)

Diplomação… dupla?
Sim. A diplomação dupla pode acontecer quando universidades estabelecem convênios de cooperação. A UTFPR, por exemplo, firmou recentemente cinco acordos com instituições estrangeiras.

Por um desses acordos, Tatiana, que estudava Engenharia Química no Câmpus Ponta Grossa teve a oportunidade de viajar a Bragança para desenvolver sua pesquisa “Polimorfísmo e Solubilidade de Sais na Presença de Solventes Mistos”. Ela ficará ao todo 15 meses na Europa e, ao fim de seu mestrado, voltará ao Brasil para terminar sua gradução – a pesquisadora completou três anos e meio de estudos na UTFPR antes do intercâmbio.

Ao final do processo, ela receberá um diploma de graduação em Engenharia Química e outro diploma de mestrado, também em Engenharia Química. E melhor: ambos valerão tanto no Brasil quanto na Europa.

As possibilidades se abrem
Em sua tese* de mestrado, Tatiana dividiu-se em duas etapas. Na primeira, realizou a solubilidade de três diferentes sais em solventes mistos de etanol/água e metanol/água e depois realizou uma caracterização da fase sólida presente. Já na segunda parte, houve o envolvimento de modelagem termodinâmica, que é um processo semi empírico – utiliza-se como base os dados obtidos na primeira parte do trabalho e então realiza-se a modelagem.

E foi trabalhando com a modelagem térmica, em contato com um coorientador da Dinamarca, que surgiu a possibilidade de um “segundo intercâmbio”. Na verdade, Tatiana foi convidada para estagiar por três meses em um departamento da Universidade Técnica da Dinamarca, referência na área termodinâmica. Para esse processo, Tatiana se beneficiou da Bolsa Erasmus – aquela mesma do último post


O Pulo do Kat™

Para entrar em um programa de dupla diplomação, a pesquisadora indica dar atenção a editais e principalmente ter contato com os professores – foi dessa forma que ela descobriu o programa. “A dica que eu daria tanto para esse programa quanto para outros é não perder a oportunidade! Oportunidades como essa de dupla diplomação não podem ser desperdiçadas. Acredito que valem muito a pena”, conclui.

Gostou? Este é o último post da trilogia “Precisamos falar sobre pós-graduação“, mas se você quer ver no Blog mais sobre o assunto é só deixar sua sugestão aqui embaixo, nos comentários!

* Calma, gente, não é um erro. No Brasil, a pesquisa desenvolvida em um mestrado gera uma dissertação. Mas, em Portugal, é possível se chamar esse trabalho de tese, sim.